Tempo
|
A+ / A-

Autárquicas

Ex-vereador Sérgio Galvão candidata-se como independente em Torres Vedras

24 mar, 2021 - 21:03 • Lusa

O antigo vereador da câmara de Torres Vedras Sérgio Galvão anunciou esta quarta-feira a sua candidatura à presidência desta autarquia do distrito de Lisboa pelo Movimento Cívico Unidos por Torres Vedras.

A+ / A-

O antigo vereador da câmara de Torres Vedras Sérgio Galvão anunciou esta quarta-feira a sua candidatura à presidência desta autarquia do distrito de Lisboa pelo Movimento Cívico Unidos por Torres Vedras.

Em nota de imprensa, o antigo vereador do PS entre 2005 e 2016 e agora candidato independente diz ser "hora de regressar", por defender que "é preciso mais liderança, mais visão de futuro, estratégica, inteligível, geradora de empregos e de esperança".

Sérgio Galvão vai encabeçar a lista à câmara pelo Movimento Cívico Unidos por Torres Vedras, que surge da "evolução das relações entre sociedade e sistema político-partidário que conduziram ao bloqueio em várias áreas de intervenção cívica e política, limitando a liberdade de cada um participar democraticamente nos processos de decisão dos partidos". .

Nesse sentido, o movimento quer juntar cidadãos que se revejam nos princípios da "confiança, competência e credibilidade e encarem a sua participação ativa na vida pública sob os princípios da intervenção coletiva, ordenada, democrática, trabalhando em prol do bem comum e da melhoria da qualidade de vida dos cidadãos que representam".

O movimento promete um "futuro melhor para o concelho e uma câmara municipal que tenha como prioridade servir e proteger".

Sérgio Galvão renunciou ao cargo de vereador das Finanças, Administração, Recursos Humanos, Empreendedorismo e Tecnologias da Informação e da Comunicação em outubro de 2016, ao fim de mais de 10 anos em funções, após a saída do então presidente da câmara Carlos Miguel para o Governo, no final de 2015.

Na altura, os pelouros foram assumidos pelo então vice-presidente de câmara, Carlos Bernardes, que veio a candidatar-se e a ganhar as eleições autárquicas de 2017.

Quando foi anunciada a renúncia de Sérgio Galvão, Carlos Bernardes afirmou que o vereador deixava a câmara numa "excelente situação financeira" ao ter reduzido o passivo financeiro em oito milhões de euros, assim como a dívida de curto prazo (de 17 para sete milhões) e a dívida de médio e longo prazo, que desceu 3,8 milhões de euros.

Sérgio Galvão saiu da câmara para ir trabalhar como diretor financeiro numa empresa privada do concelho, cargo que ocupa, segundo a justificação oficial dada na altura.

O cabeça-de-lista tem 49 anos, é licenciado em Gestão e presidente da direção da Associação de Educação Física e Desportiva. .

Nas últimas eleições autárquicas, o PS venceu em Torres Vedras, com maioria absoluta, elegendo seis elementos para o executivo, enquanto o PSD elegeu três.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+