Tempo
|
A+ / A-

Caso EDP

Negócio das barragens autorizado pelo Governo apesar de parecer técnico negativo

23 mar, 2021 - 18:46 • Redação com Lusa

Em causa está o não pagamento de 110 milhões de euros pela EDP relativos a Imposto de Selo, aquando a venda das barragens à Engie, um negócio concluído em dezembro de 2020. Ministro do Ambiente contrapõe, lembrando que a decisão final coube à Agência Portuguesa do Ambiente. Autoridade Tributária está a investigar os contornos do negócio para determinar se há incumprimento de obrigações fiscais por parte da elétrica portuguesa.

A+ / A-

O Ministério do Ambiente e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) decidiram autorizar o negócio da venda de cinco barragens na bacia hidrográfica do Douro aos franceses da Engie, contrariando um parecer desfavorável dos técnicos da própria APA.

Segundo a estação televisiva SIC, está em causa a posição manifestada pela diretora do departamento de recursos hídricos da APA que, no dito parecer, frisou que não havia condições para autorizar a transmissão das barragens.

Ainda assim, o presidente do Conselho Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente deu luz verde ao negócio que está a ser investigado pela Autoridade Tributária (AT), anunciou esta terça-feira no Parlamento o ministro das Finanças, João Leão.

Em causa está o não pagamento de 110 milhões de euros pela EDP relativos a Imposto de Selo, aquando a venda das barragens à Engie, um negócio concluído em dezembro de 2020.

O presidente executivo da elétrica, Miguel Stilwell de Andrade, nega qualquer esquema para escapar às suas obrigações fiscais, designadamente o pagamento de 110 milhões de euros de Imposto de Selo. No entanto, haverá outras obrigações fiscais não terão sido cumpridas no negócio entre a EDP e a Engie.

"A senhora diretora-geral da AT acabou de me informar que os serviços já se encontram a trabalhar nesta matéria, estando em fase de recolha de elementos preparatórios para que possam promover as ações necessárias, no tempo e no modo adequado, à eventual liquidação de impostos devidos", afirmou o ministro das Finanças, durante a audição da Comissão Parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território requerida pelo Bloco de Esquerda.

Parecer da APA não foi ignorado, foi "relevantíssimo", diz Matos Fernandes

Na resposta, o ministro do Ambiente assegura que o Governo não ignorou qualquer parecer a desaconselhar a transmissão de barragens aos franceses da Engie.

Confrontado pelo Bloco de Esquerda com a existência de uma análise técnica desfavorável assinada pela diretora-geral dos recursos hídricos da APA, João Pedro Matos Fernandes desresponsabiliza o executivo, lembrando que "quem tomou a decisão final foi a APA" e que "o parecer dessa diretora de serviços foi relevantíssimo para vir a fixar mais à frente [no processo] as condições para a componente ambiental”.

Matos Fernandes garantiu, por outro lado, que não havia, por parte do Estado, qualquer interesse em exercer o direito de preferência na venda das seis barragens em Trás-os-Montes.

Matos Fernandes afirmou que "o Estado não tinha e não tem interesse em fazer exercer o direito de preferência", sublinhando, se assim fosse, "teria de desembolsar à cabeça 2,2 mil milhões de euros, sem garantia de ser ressarcido de tal quantia noutro concurso de concessão".

PS chama diretora-geral da AT ao Parlamento

O deputado socialista João Paulo Correia revelou que o grupo parlamentar do PS vai chamar ao Parlamento a diretora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) para prestar esclarecimentos adicionais a propósito deste negócio.

“Não podemos estar permanentemente a lançar suspeitas sobre as instituições”, referiu João Paulo Correia, anunciando que os socialistas vão avançar com um requerimento – que deverá ser entregue esta quarta-feira – para ouvir a diretora-geral da AT.

Ao longo desta audição, os ministros têm repetido que a AT tem toda a independência e competência para avaliar a vertente fiscal desta operação que envolveu a transação de seis barragens que estavam concessionadas à EDP e que agora passam para a Engie e para avaliar, nomeadamente, se esta operação consubstancia um aproveitamento do artigo dos Estatuto dos Benefícios Fiscais que isenta de pagamento do Imposto do Selo a transmissão de arrendamentos não habitacionais no âmbito de operações de reestruturação.

Ao longo da audição vários deputados da oposição fizeram, no entanto, questão de sublinhar que o que está em causa não é a competência da AT, mas a atuação do Governo perante o negócio.

Em 13 de novembro de 2020, foi anunciado que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) tinha aprovado a venda de barragens da EDP (Miranda, Bemposta, Picote, Baixo Sabor e Foz-Tua) à Engie.

A EDP concluiu, em 17 de dezembro, a venda por 2,2 mil milhões de euros de seis barragens na bacia hidrográfica do Douro a um consórcio de investidores formados pela Engie, Crédit Agricole Assurances e Mirova.

O BE tem defendido que, à luz deste negócio, deviam ter sido pagos 110 milhões de euros em Imposto do Selo, o que é contestado pela EDP.

O presidente executivo da EDP foi ouvido na semana passada nesta comissão na sequência de um requerimento do PSD.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+