Tempo
|
A+ / A-

Serviço de Estrangeiros e Asilo. É o novo nome do SEF e vai integrar PSP, GNR ou PJ

19 mar, 2021 - 07:52 • Lusa

Apoiar os imigrantes e refugiados que vivem em Portugal será uma das maiores funções do Serviço após a reestruturação, revela o ministro Eduardo Cabrita. Haverá ainda separação entre funções policiais e de documentação.

A+ / A-

Os inspetores do SEF vão integrar a PSP, a GNR ou a Polícia Judiciária, forças que vão acolher as funções policiais deste serviço após a sua reestruturação, avança o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, em entrevista à agência Lusa.

Eduardo Cabrita revela que o SEF vai passar a chamar-se Serviço de Estrangeiros e Asilo e terá como grande função o apoio aos imigrantes e refugiados que vivem em Portugal.

O ministro explica que a reforma, que passa pela separação entre as funções policiais e as funções de autorização de documentação de imigrantes, está prevista no programa do Governo e irá desenvolver-se ao longo de todo este ano.

"Esse processo foi já discutido no Conselho Superior de Segurança Interna e neste momento o processo legislativo está em curso dentro do Governo", precisa.

O ministro adianta que os inspetores do SEF vão passar para a PSP, GNR ou para a Polícia Judiciária, tendo em conta "a reorganização das funções de natureza policial".

Eduardo Cabrita sustenta que já cabe à Polícia de Segurança Pública a segurança aeroportuária, sendo o controlo sanitário nos aeroportos feito pela PSP e pelo SEF articuladamente, enquanto a Guarda Nacional Republicana tem hoje as responsabilidades de guarda costeira e controlo de fronteira terrestre.

"Nas fronteiras terrestes, tivemos uma articulação entre a GNR e o SEF", diz, considerando que existem vantagens de os crimes tráfico de seres humanos e de imigração ilegal passarem a ser investigadas pela Polícia Judiciária.

O ministro sublinha que o pessoal "da carreira de inspeção beneficiará desta dimensão de escala de estar inserida em forças com uma dimensão diferente", disse, destacando que a GNR "beneficiará de ter pessoas que são do SEF com uma experiência de controlo de fronteiras" e que a segurança aeroportuária vai ganhar "uma dimensão integrada e global".

SEF vai acabar?

Questionado se o SEF como existe atualmente vai acabar, Eduardo Cabrita limita-se a responder "que é cumprido [com esta reestruturação] o programa do Governo" e que o Serviço de Estrangeiros e Asilo, designação que o Governo tem apontada preliminarmente, "tem uma função extremamente importante".

"O Serviço de Estrangeiros e Asilo tem uma função extremamente importante na sua dimensão externa em que apoia aquilo que é o papel de Portugal na discussão da política europeia de asilo e migrações. Os mecanismos de simplificação, nos mecanismos de gestão de vistos, na simplificação de procedimentos que levaram por exemplo a que cerca de 100 mil pessoas tenham tido a sua autorização de residência renovada em tempo de pandemia de forma automática", aponta.

Alguma ligação à morte de Ihor Homeniuk?

Eduardo Cabrita reafirma que a reestruturação do SEF não está relacionada com a morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk nas instalações deste serviço no aeroporto de Lisboa em março de 2020 e com a acusação de homicídio qualificado a três inspetores, sendo uma matéria que já estava a ser preparada.

Destaca o papel da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) naquilo que foi o apuramento do que se passou no aeroporto, tendo ido "muito além do Ministério Público".

"A morte de um cidadão estrangeiro no aeroporto é uma tragédia que não tem nada a ver com a forma de atuação das forças de segurança portuguesas e de um país que é uma referência europeia e mundial na forma como trata refugiados e imigrantes. Portanto, isso envergonha-nos a todos e por isso a nossa atuação foi imediata junto da embaixada da Ucrânia", salienta.

O ministro frisa também que falou com a viúva de Ihor Homeniuk e que a indeminização à família do cidadão ucraniano foi aquela que foi "atribuída em Portugal no prazo mais curto e de maior montante".

Eduardo Cabrita sustenta igualmente que a questão da indemnização "não podia ter sido atribuída mais cedo, porque não havia acusação", nem o relatório "final da IGAI, que é uma peça decisiva".

Questionado se alguma vez pensou em demitir-se, o governante responde: "Não. Como disse, o único dia em que eu podia ter pensado nisso era no dia 30 de março [quando soube das suspeitas de crime na morte de Ihor Homeniuk], mas exatamente aí o responsável pelo estado de emergência, pela gestão da monitorização do estado de emergência, o que tem de ter é os nervos de aço para atuar de imediato".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    21 mar, 2021 Funchal 14:11
    Acho o nome Asilo, estranho e não faz sentido. Talvez a palavra Acolhimento, seja mais dignificante ou deixar como está. Estão a branquear alguma coisa? É uma pena acessória? Parece que querem apagar alguma coisa, mas o SEF tem feito um bom e possível, trabalho. Talvez não estivesse preparado para a enchente de pessoas e processos. Isso é humano. Coisas erradas acontecem em todas as instituições. Quando era jovem, "asilo" era o nome dos lares de idosos. Agora até na semântica há modas. Por exemplo, idoso, homossexual, recluso, lar, e outros. Mudam-se os nomes mas vai dar tudo ao mesmo. O novo SEF também vai encontrar os mesmos desafios e erros vão acontecer, sempre. Somos todos seres humanos e falíveis. O governo está a ir pelo caminho mais longo , difícil e oneroso. Eu já passei por uma grande fusão, a nível profissional e não aconselho a ninguém. Psicologicamente é desgastante. Se calhar nunca daptei-me a 100 por cento e sempre houvem estigmas...boa sorte, mas para os funcionários do SEF, não será nada fácil, sei o que passei.

Destaques V+