Tempo
|
A+ / A-

Entrevista

Prémio Pessoa para Elvira Fortunato: “Pandemia tem mostrado importância de investir em Ciência"

11 mar, 2021 - 13:39 • Maria João Costa

Vencedora do Prémio Pessoa 2020 diz à Renascença que, agora, quer celebrar o galardão com a família e a equipa. Num ano em que pandemia pôs à prova a ciência, a engenheira destaca importância do investimento no setor.

A+ / A-

Elvira Fortunato diz que está “duplamente feliz” com o Prémio Pessoa 2020 que hoje lhe foi atribuído. A engenheira e cientista explica à Renascença que é a “sexta mulher” a receber o prémio, em 34 edições, e que isso a deixa “contente”, como a deixa feliz o facto de ser uma distinção na área da ciência.

Num dia em que o seu telefone não parou de tocar, Elvira Fortunato está satisfeita com o prémio, sobretudo, no atual contexto pandémico.

“A pandemia tem mostrado a importância que é investir em ciência e trabalhar em equipa”, refere a também vice-reitora da Universidade NOVA, que lembra que “só assim foi possível ter-se vacinas em menos de um ano”.

Elvira Fortunato tem também dado o seu contributo para a investigação na área da Covid-19.


Nesta entrevista à Renascença depois do anúncio do Prémio Pessoa, indica que têm “a decorrer no laboratório dois projetos na área da Covid-19”.

A cientista, cujo trabalho inovador nas áreas da micro-electrónica e optoelectrónica se tem destacado, faz questão de sublinhar que “todo o investimento e tudo o que tem sido feito a nível internacional na área da ciência tem possibilitado que tenham aparecido os testes, as vacinas”.

Nas palavras desta investigadora, “não há impossíveis quando as pessoas se juntam”. Elvira Fortunato refere que “só com trabalho em equipa, e neste caso a nível global, foi possível chegar a uma vacina num tempo recorde”.


O confinamento obrigou Elvira Fortunato a fechar a porta do laboratório, mas agora já regressou ao ativo.

“Cumprimos com todas as regras de segurança. Aqui no laboratório estamos a trabalhar desde o dia 1 de março. Iniciamos a atividade, porque temos projetos em curso, temos de ter resultados e temos alunos de doutoramento com trabalhos para fazer e o trabalho de laboratório não é compatível com teletrabalho.”

Questionada sobre o valor do prémio de 60 mil euros, Elvira Fortunato diz a sorrir: “A primeira coisa que quero fazer é uma festa enorme com a minha família e depois uma festa muito grande com a equipa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+