Tempo
|
A+ / A-

​“Temos de lutar pela dignidade das mulheres”, diz o Papa

08 mar, 2021 - 18:06 • Ecclesia

Francisco condenou tráfico de pessoas e mutilação genital.

A+ / A-

O Papa apelou esta segunda-feira ao reconhecimento da dignidade das mulheres, no seu dia internacional, denunciando a persistência de fenómenos como o tráfico de pessoas ou a mutilação genital.

“Isto acontece entre nós, o tráfico de pessoas. Nesses países, sobretudo na África, há a mutilação, como um rito que é preciso fazer. As mulheres são escravas, ainda, e temos de lutar, lutar pela dignidade das mulheres”, declarou, em conferência de imprensa, no regresso a Roma após a viagem do Iraque.

Francisco foi questionado sobre a celebração do 8 de março, elogiando a “coragem” das mulheres.

“São elas que fazem avançar a história, isto não é um exagero: as mulheres fazem avançar a história e não é apenas um elogio porque hoje é o dia das mulheres”, declarou.

O Papa lamentou as atitudes de “recusa” da mulher, que chegam a situações “extremas”, como aconteceu com a venda de escravas pelo Estado Islâmico.


Durante o voo para Bagd, o pontífice pôde ver uma cópia do documento com que o Daesh divulgava os preços de mulheres cristãs e yazidi, em função da sua idade.

“Eu não consegui acreditar: se a mulher é assim, de tal idade, custa tanto. As mulheres são vendidas, são escravizadas. Mesmo no centro de Roma, o trabalho contra o tráfico de mulheres é um trabalho de todos os dias”, apontou.

O Papa recordou o seu encontro, na capital italiana, com mulheres resgatadas de redes de exploração sexual, que eram maltratadas e raptadas.

“Isto acontece hoje. Para não ir mais longe, pensemos no centro de Roma, nas jovens que são sequestradas e exploradas”, lamentou.

Francisco começou por recordar a conversa que teve hoje com a primeira-dama do Iraque sobre a “força das mulheres” para levar por diante “a vida, a história, a família”. “Parabéns a todas”, disse.

Já na sua conta do Twitter, o pontífice tinha deixado uma mensagem de agradecimento às mulheres do Iraque.

“Gostaria de agradecer de coração a todas as mulheres, especialmente as do Iraque, mulheres corajosas que continuam a dar vida não obstante os abusos e as feridas. Que as mulheres sejam respeitadas e protegidas! Que lhes sejam dadas atenção e oportunidades”, escreveu.

A celebração do Dia da Mulher está em destaque na edição de março do suplemento feminino do jornal do Vaticano, ‘Mulheres Igreja Mundo’.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+