Tempo
|
A+ / A-

Covid-19 em Portugal: Mais 25 mortes e 365 casos, o valor mais baixo desde setembro

08 mar, 2021 - 14:17 • Redação

Número de óbitos é o mais baixo desde desde 28 de outubro e, em unidades de cuidados intensivos, há agora menos 12 internados, num total de 342 pacientes, indica a Direção-Geral da Saúde.

A+ / A-

Veja também:


Portugal regista esta segunda-feira mais 25 mortes e 365 novos casos de Covid-19, indica o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

É o valor mais baixo de novos casos desde 7 de setembro e de óbitos desde 28 de outubro.

Nos hospitais portugueses estão internados 1.403 doentes com Covid-19, uma redução de 11 pacientes nas últimas 24 horas.

Em unidades de cuidados intensivos há agora menos 12 internados, num total de 342 pacientes.

Portugal tem mais de 61 mil casos ativos do novo coronavírus, uma descida de 439 no espaço de um dia.

Recuperaram da doença 779 pessoas nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, há um ano, mais de 732 mil pessoas ficaram curadas do novo coronavírus.

Há esta segunda-feira quase 24 mil pessoas em contactos de vigilância, uma descida de 1.632 no espaço de um dia.

Desde a detenção dos primeiros casos de Covid-19 em Portugal, a 2 de março do ano passado, estão confirmados 16.525 mortes e 810.459 infeções pelo novo coronavírus.


Numa análise por regiões, Lisboa e Vale do Tejo (LVT) tem mais 15 mortes e 162 novos casos e o Norte seis óbitos e 57 infeções.

A região Centro regista esta segunda-feira mais quatro mortes e 19 casos, o Alentejo 31 infeções e o Algarve 11 casos.

Nas regiões autónomas, a Madeira tem 78 casos e os Açores mais sete.

A DGS indica que, "dos dados apresentados da Madeira, 60% dos casos teve um período entre o diagnóstico e notificação superior a 48 horas, decorrente de intercorrências informáticas de um laboratório na região e que se encontram em processo de regularização".

A subida do risco transmissão de Covid-19, as novas variantes e a situação europeia em contraciclo com o contexto português "são ameaças que continuamos a enfrentar" para a próxima fase de desconfinamento, disse esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, no final da reunião com especialistas do Infarmed.

Em declarações aos jornalistas, a ministra não confirmou nem desmentiu as notícias com detalhes sobre o plano de desconfinamento que o Governo vai apresentar na próxima quinta-feira.

“O que é relevante é perceber o quadro à nossa volta. O contexto que temos leva-nos a não perder de vista as ameaças que continuamos a enfrentar: risco transmissão a subir, novas variantes e contexto europeu em contraciclo ao contexto português", sublinhou.

Já o primeiro-ministro disse ter "uma base científica mais sólida" para tomar decisões na resposta à pandemia de covid-19, depois de os peritos em saúde pública terem convergido sobre critérios na reunião no Infarmed.

"É importante encontrar uma metodologia que pudesse partilhar com a comunidade qual é a sustentação científica dos riscos diferenciados, porque isso ajuda toda a gente a perceber as medidas adotadas e facilita a adesão. Sinto-me com ferramentas para ter um processo de decisão mais sustentado", afirmou António Costa, acrescentando: "O decisor político fica a partir de agora habilitado a ter uma base científica mais sólida para tomar as suas decisões".

Na reunião desta segunda-feira na sede do Infarmed, em Lisboa, os especialistas definiram algumas linhas vermelhas para começar o processo de desconfinamento.

Os especialistas defenderam, por exemplo, que o desconfinamento só deve acontecer com incidência 60 casos por 100 mil habitantes e quando os cuidados intensivos tiveram cerca de 245 internadas com Covid-19.

Evolução da Covid-19 em Portugal

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    09 mar, 2021 Coimbra 13:19
    Os números são bons. Mas não corresponde à realidade, porque a testagem reduziu drasticamente. Pelo isto é uma vigarice do governo, para enganar cá e na europa. Por favor, sejam sérios!!!
  • Jose Mota Vieira
    08 mar, 2021 Braga 19:06
    ainda faltam parâmetros para desconfinar totalmente Todo o cuidado é pouco

Destaques V+