Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Costa assume "base científica mais sólida" para decidir sobre desconfinamento

08 mar, 2021 - 13:21 • Lusa

Balanço da reunião com especialistas no Infarmed. "Sinto-me com ferramentas para ter um processo de decisão mais sustentado", disse o primeiro-ministro, que na quinta-feira vai apresentar um plano de desconfinamento.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro disse hoje ter "uma base científica mais sólida" para tomar decisões na resposta à pandemia de covid-19, depois de os peritos em saúde pública terem convergido sobre critérios na reunião no Infarmed.

"É importante encontrar uma metodologia que pudesse partilhar com a comunidade qual é a sustentação científica dos riscos diferenciados, porque isso ajuda toda a gente a perceber as medidas adotadas e facilita a adesão. Sinto-me com ferramentas para ter um processo de decisão mais sustentado", afirmou António Costa, acrescentando: "O decisor político fica a partir de agora habilitado a ter uma base científica mais sólida para tomar as suas decisões".

Numa curta intervenção no final dos trabalhos da reunião que juntou especialistas em saúde pública e políticos, o chefe do governo agradeceu às diferentes equipas que "apresentaram de forma diversa e tendencialmente convergente" um conjunto de critérios que "permitem mapear o processo de decisão" do executivo.

António Costa reforçou ainda o elogio aos especialistas pelo esforço de definição de uma plataforma comum de critérios e objetivos e que isso "corresponde ao apelo" que fez há cerca de um mês, possibilitando agora uma definição mais clara de um plano de desconfinamento após a terceira vaga da pandemia no país.

Na reunião desta segunda-feira na sede do Infarmed, em Lisboa, os especialistas definiram algumas linhas vermelhas para começar o processo de desconfinamento.

Os especialistas defenderam, por exemplo, que o desconfinamento só deve acontecer com incidência 60 casos por 100 mil habitantes e quando os cuidados intensivos tiveram cerca de 245 internadas com Covid-19.

Em Portugal, morreram 16.540 pessoas dos 810.094 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

[notícia em atualização]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    08 mar, 2021 Palmela 15:27
    Um primeiro ministro decente nao fecha cabeleireiros a toa " nao existe nenhuma base cientifica de que os cabeleireiros sejam sitios de contagio! A grande maioria dos cabeleiros sobrevive a custa da mulher menos jovem que gosta de andar bonita mas ja tem forca para lavar o cabelo e secar em casa !
  • Maria
    08 mar, 2021 Palmela 14:11
    Um primeiro ministro que mantem os saloes de cabeleireiro fechados no dia da mulher "e um tirano!

Destaques V+