Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

Papa no Iraque

Papa vê no Iraque uma Igreja “viva” que resiste à vingança e às “retaliações sem fim”

07 mar, 2021 - 13:15 • Filipe d'Avillez , Aura Miguel

Francisco celebrou missa com os católicos do Iraque em Erbil, capital do Curdistão iraquiano, e elogiou a forma como estes têm sido construtores de reconciliação apesar de tudo o que sofreram.

A+ / A-

Uma Igreja “viva”, um povo “santo e fiel”. É assim que Francisco descreve a comunidade cristã que encontrou nesta visita que tanto insistiu fazer ao Iraque.

O Papa celebrou missa com milhares de fiéis, este domingo, no estádio Franso Hariri, em Erbil, depois de ter passado por Mossul, a cidade que foi martirizada pelo Estado Islâmico, e por Qaraqosh, símbolo do renascimento da cultura cristã no país.

Tal como fez em todas as suas intervenções diante da comunidade cristã, Francisco voltou a insistir na questão da lógica da Cruz ser contrária à violência, ao ressentimento e à vingança.

“Como é fácil cair na armadilha de pensar que temos de demonstrar aos outros que somos fortes, que somos sábios; na armadilha de construirmos imagens falsas de Deus, que nos deem segurança! Na realidade, é o contrário. Todos nós precisamos do poder e da sabedoria de Deus revelada por Jesus na cruz”, disse.

“Aqui, no Iraque, quantos dos vossos irmãos e irmãs, amigos e concidadãos carregam as feridas da guerra e da violência, feridas visíveis e invisíveis! A tentação é responder a estes e outros factos dolorosos com uma força humana, com uma sabedoria humana. Jesus, ao contrário, mostra-nos o caminho de Deus, aquele que Ele mesmo percorreu e por onde nos chama a segui-Lo.”

Muitos dos cristãos que este domingo escutaram as palavras do Papa sofreram as agruras da ocupação do Estado Islâmico, perderam familiares, amigos, casas e negócios por causa da sua religião e vivem agora em campos de refugiados, divididos entre a vontade de começar de novo e o medo de que tudo se repita, que leva muitos dos que podem a fugir para o ocidente.

Corações puros, abertos a todos

Refletindo sobre a passagem do Evangelho em que Jesus expulsa os vendilhões do templo, o Papa disse que a missão de Cristo é a de purificar os corações dos homens, incluindo das divisões artificiais que levam pessoas de diferentes etnias e religiões a voltarem-se umas contra as outras.

“Jesus não só nos purifica dos nossos pecados, mas torna-nos também participantes do seu próprio poder e sabedoria. Liberta-nos de um modo de entender a fé, a família, a comunidade que divide, contrapõe e exclui, para podermos construir uma Igreja e uma sociedade abertas a todos e solícitas pelos nossos irmãos e irmãs mais necessitados. E ao mesmo tempo revigora-nos para sabermos resistir à tentação de procurar vingança, que nos mergulha numa espiral de retaliações sem fim. Com a força do Espírito Santo, envia-nos, não para fazer proselitismo, mas como seus discípulos missionários, homens e mulheres chamados a testemunhar que o Evangelho tem o poder de mudar a vida”, explica Francisco.

O Papa terminou a sua homilia revelando a razão pela qual insistiu, contra todas as recomendações, em visitar o Iraque numa altura de pandemia e mediante o perigo de atentados.

“A Igreja no Iraque, com a graça de Deus, fez e continua a fazer muito para proclamar esta sabedoria maravilhosa da cruz, espalhando a misericórdia e o perdão de Cristo especialmente junto dos mais necessitados. Mesmo no meio de grande pobreza e tantas dificuldades, muitos de vós oferecestes generosamente ajuda concreta e solidariedade aos pobres e atribulados. Este é um dos motivos que me impeliu a vir em peregrinação até junto de vós, ou seja, para vos agradecer e confirmar na fé e no testemunho.”

“Hoje, posso ver e tocar com a mão que a Igreja no Iraque está viva, que Cristo vive e age neste seu povo santo e fiel”, concluiu o Papa.

Terminada a celebração da missa o Papa regressa a Bagdad, onde passará a noite. A viagem de volta para Roma só acontece na segunda-feira, após uma cerimónia de despedida, mas não haverá mais intervenções públicas de Francisco em solo iraquiano.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+