Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Governo aprova 20 milhões de euros para testes rápidos nas escolas

07 mar, 2021 - 15:13 • Marta Grosso

A medida pretende preparar a abertura “gradual e sustentada” dos estabelecimentos de ensino e o regresso ao ensino presencial.

A+ / A-

Veja também:


O Governo aprovou neste domingo, em Conselho de Ministros, a verba de quase 20 milhões de euros (19.802.880 euros) para “aquisição de serviços de realização de testes rápidos de antigénio em estabelecimentos de educação e ensino públicos”.

A informação chega através de comunicado, segundo o qual os testes se destinam também às “respostas sociais de apoio à infância do setor social e solidário”.

“Desta forma, o Governo pretende preparar a reabertura gradual e sustentada das atividades presenciais, dando continuidade à implementação da Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2 2020”, lê-se no documento.

A reabertura das escolas tem sido uma reivindicação repetida nas últimas semanas e o Governo já disse que será por aí que o desconfinamento deverá começar.

O plano de desconfinamento será apresentado no dia 11 de março (próxima quinta-feira) e o primeiro-ministro já avisou que “será gradual, progressivo e diferenciado, em função de setores de atividade e, porventura, de localizações”.

Para tal, o Governo apostou num plano de testagem massiva à população, com 400 mil testes de 14 em 14 dias. O plano envolve laboratórios, Ministério da Saúde e Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    07 mar, 2021 évora 16:55
    Mas vão andar a trás das crianças de tenra idade fustigadas pelo medo de verem coisas a penetrarem nas narinas tal e qual como os Nazis faziam nos campos de concentração as experiências com as crianças judaicas ? Tenham cuidado que as crianças tem personalidade e identidade própria , o Estado de Emergência não é base para Tortura descarada , tenham vergonha os homens e mulheres desta geringonça cruel , amarga e criminosa para as crianças Portuguesas .

Destaques V+