Tempo
|
A+ / A-

Presidência portuguesa da UE gasta milhares em fatos e vinho. “Os maus vícios são difíceis de largar”

04 mar, 2021 - 18:22 • Fábio Monteiro

Com os fundos da bazuca europeia no horizonte, Portugal dá um mau sinal nos gastos da Presidência da União Europeia, diz Susana Coroado, presidente da Transparência e Integridade, em à Renascença. Governo gastou quase 40 mil euros em 360 camisas e 180 fatos para motoristas para delegações estrangeiras que visitem Portugal.

A+ / A-

Desde o início de janeiro, Portugal desembolsou mais de oito milhões de euros por ajuste direto em despesas para presidência da União Europeia (dos 41,375 milhões postos de parte no Orçamento de Estado para 2021), em cerca de 200 contratos.

Esta quinta-feira, muitos destas adjudicações do Governo de António Costa tornaram-se alvo de escrutínio: o jornal internacional “Politico” escreve sobre as despesas insólitas de uma “presidência fantasma” - quase 40 mil euros em fatos para motoristas, por exemplo. Já o Observador relata que algumas das empresas a quem foram concedidos contratos haviam sido criadas apenas dias antes.

Em declarações à Renascença, a presidente da Transparência e Integridade, Susana Coroado, diz esta situação “revela que os maus vícios são difíceis de apagar”.

“Continua a não haver um cuidado em pensar devidamente na despesa, em justificar, em ser transparente com os contratos e com a contratação. Falta preocupação com conflitos de interesse. Portanto, se isto continua a acontecer agora, nós tememos por aquilo que possa acontecer no futuro, se estas práticas se vão manter quando chegarem os fundos europeus”, afirma.

“Uma obsessão” pela imagem

Segundo Susana Coroado, apesar da pandemia, o Governo português parece ter ainda uma “preocupação excessiva com a promoção do país” durante a presidência da União Europeia.

Este é precisamente um dos eixos da reportagem do Politico: mesmo com as fronteiras fechadas, e todas as conferências de imprensa a ocorrerem via internet, o Governo investiu mais de 260 mil euros para transformar um espaço no Centro Cultural de Belém num centro de imprensa em Lisboa; firmou um contrato com a Sogrape no valor de quase 36 mil euros para adquirir bebidas para eventos sociais, investimento que faria todo o sentido, não fosse o caso o distanciamento social ser um dos símbolos da Covid-19.

“A maioria dos contratos que o Politico fala não estão disponíveis. Está a despesa, mas não estão os contratos em si publicados no [portal] BASE. E, portanto, nós não sabemos se há, por exemplo, uma cláusula nos contratos que diga que caso os eventos não se possam realizar por causa da pandemia, que a despesa não vai ser feita. Eu não faço ideia”, sublinha Susana Coroado.

Há gastos difíceis de justificar. Por exemplo: os quase 40 mil euros em 360 camisas e 180 fatos para motoristas. “Não posso avaliar o mérito da despesa. Posso achar estranho que se façam despesas para eventos que, até ver, não se vão realizar. Sem saber sequer se há cláusula do não pagamento caso não haja essa despesa. Portanto, não consigo avaliar o mérito de se comprarem fatos para motoristas”, nota.

A presidente da Transparência e Integridade questiona ainda: “Mas há fatos especiais? Mas os motoristas não tinham fatos? São motoristas do Estado? São motoristas contratados a empresas privadas nesta altura porque poderá haver eventualmente um excesso trabalho e funções. Nós não sabemos. Falta de justificação de despesas.”

Ao Politico, Alexandra Carreira, a porta-voz da presidência portuguesa da UE, justificou a compra dos fatos para os motoristas com a possibilidade de estes terem de conduzir delegações que se possam deslocar ao país.

“Não podemos simplesmente descartar a possibilidade de serem realizados encontros presenciais no futuro próximo”, disse.

A Renascença tentou contactar o gabinete do primeiro-ministro, mas não obteve resposta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    21 abr, 2021 porto 15:23
    Agora já sabem o motivo de ficarem em casa confinados,os fundos comunitários esperem ate vir o resto do dinheiro as offshores na suíça e na Madeira vai ser só depositar dinheiro
  • A. Amorim
    06 mar, 2021 4765 19:47
    É insceitavel esse Tipo de comportamento mas já é tradiçao. Com motoristas privados grandes carros subsidios para tudo e todos até isch parace que não tem ordenado so digo uma coisa vergonha.
  • Observador
    06 mar, 2021 Portugal 11:44
    Esperem até chegar a "massa" da UE...
  • Cidadao
    06 mar, 2021 Lisboa 11:44
    Conhecendo a estirpe da dita "elite portuguesa" onde os políticos gostam de se inserir, alguém se admira com isto? É o que acontece - embora não tão "badalado" como este caso foi - todos os dias, desde que haja dinheiro para os politicos gastarem. Agora ficamos à espera das consequências destas revelações - embora pelo sim pelo não, já me tenha prevenido com "montes de revistas para ler".
  • Rui Santos
    05 mar, 2021 Loures 22:52
    Esta notícia não é relevante como facto isolado. É grave porque representa uma forma de estar, uma forma de ser, uma forma de fazer política, uma forma de governar, e o desprezo com que se trata o próprio povo. E está perfeitamente enraizada no regime. Somos o bombo da festa, a chacota da Europa, o pobre país de 2º, 3º ou 4º mundo cheio destes "tiques" de ostentação saloia tão típica dos países dos sobas africanos. Só há uma solução: derrubar esta gente toda. Derrubar o regime
  • EU
    05 mar, 2021 PORTUGAL 19:19
    Estes hábitos é que deviam ser DERRUBADOS, não é verdade Menino " deputado " Ascenso Simões?
  • Maria da Conceição
    05 mar, 2021 Viseu 16:10
    Nem acredito que se indignam! Então não sabem que os nossos políticos tratam de si e dos seus comparsas e lá mesmo no fundo é que se lembram do dever público para que foram investidos?? A seriedade, honestidade é verdade são cargas pesadíssimas ....
  • Anabela Fardilha
    05 mar, 2021 Santa Maria da Feira 14:32
    Isto ate é vergonhoso publicar. Uns a fazer tantos sacrificios e outros a esbanjar o dinheiro que é dos contribuintes... Se todos tem um ordenado, cada um que pague o seu fato e o seu vinho... e graças a Deus não faltam água nas torneiras, bebam água...
  • António dos Santos
    05 mar, 2021 Coimbra 12:06
    E um vergonha para os portugueses!! Isto revela a sacanagem da nossa classe política e governativa.
  • Dora Roxo
    04 mar, 2021 Vila Nova de Gaia 23:24
    Com o dinheiro dos contribuintes

Destaques V+