Tempo
|
A+ / A-

Brasões florais em Lisboa. Câmara e peticionários terão chegado a acordo

24 fev, 2021 - 07:35 • Marta Grosso

Responsáveis pela petição contra o fim dos brasões florais na Praça do Império estiveram reunidos com Fernando Medina e Sá Fernandes.

A+ / A-

Estará resolvida a polémica em torno dos brasões florais existentes na Praça do Império, em Lisboa (na zona dos Jerónimos e do CCB). Depois de uma reunião de mais de duas horas, peticionários contra o fim dos brasões e autarquia chegaram a acordo para a preservação destes arranjos.

A notícia é avançada nesta quarta-feira pelo “Diário de Notícias”, segundo o qual Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, e o vereador do Clima e Estrutura Verde, José Sá Fernandes, se reuniram na terça-feira com o líder do Movimento Nova Portugalidade, Rafael Pinto Borges. Do encontro terá saído a garantia da autarquia de que "não há má vontade contra os brasões" e, da parte dos peticionários, de que nada os move contra a Câmara de Lisboa, havendo “apenas uma discordância de cidadania”.

Daqui surgiu o acordo segundo o qual os proponentes da petição – que já reuniu cerca de 14 mil assinaturas – irão apresentar uma proposta para preservar os brasões.

A polémica começou há cinco anos, quando, em 2016, a Câmara de Lisboa aprovou, com os votos contra da oposição, a decisão do júri do concurso de ideias lançado para renovação do Jardim da Praça do Império, que não previa a recuperação dos brasões florais.

A decisão foi contestada, mas o assunto acabou por cair no esquecimento. Neste ano, a polémica voltou a ser notícia, porque foi adjudicada a obra para retirar os brasões.

Saiba mais sobre os brasões da Praça do Império aqui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+