Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

OMS sem provas de que variante da África do Sul seja mais mortal

18 fev, 2021 - 17:44 • Lusa

Contudo, segundo a organização, as vacinas anticovid de fabricantes como Johnson, Novavax ou AstraZeneca têm menor eficácia perante esta variante.

A+ / A-

Veja também:


A responsável da unidade técnica anticovid da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, disse esta quinta-feira não haver provas de que a variante do vírus identificada na África do Sul seja mais mortal do que outras.

Tão pouco há indícios de que cause um maior número de casos graves e seja mais difícil de diagnosticar, afirmou em conferência de imprensa, em Genebra, na sede da organização.

“Identificou-se sim um aumento na capacidade de contágio, parecida com a que observamos com a variante do Reino Unido”, admitiu Van Kerkhove.

Outro aspeto detetado pela OMS foi que as vacinas anticovid de fabricantes como Johnson, Novavax ou AstraZeneca têm menor eficácia perante esta variante, detetada, segundo a organização, em cerca de meia centena de países.

A diretora do Programa de Imunizações da OMS, Kate O'Brien, sublinhou a propósito que o ensaio clínico realizado com a vacina da AstraZeneca durante o período de circulação desta variante decorreu com um número reduzido de pacientes, e não incluiu ninguém gravemente infetado com Covid-19.

“Isto é importante, porque o que estamos a ver é que todas as vacinas tendem a ser mais eficazes em pessoas com quadros severos”, sublinhou a epidemiologista.

As especialistas frisaram que, apesar das diferenças da variante face a outras estirpes, a África do Sul demonstrou que com as medidas de saúde pública adequadas pode ser controlada.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.430.693 mortos no mundo, resultantes de mais de 109,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+