Tempo
|
A+ / A-

O que sabemos sobre o caso Valentina. Pai e madrasta começam a ser julgados

17 fev, 2021 - 06:33 • Filipe d'Avillez

​Os suspeitos são o pai da criança, que terá confessado o crime, e a madrasta. Sandro e Márcia arriscam pena máxima. Valentina, de nove anos, sofreu agressões antes de ser asfixiada e o seu corpo foi escondido num eucaliptal.

A+ / A-

Começa esta quarta-feira, dia 17 de fevereiro, o julgamento do pai e da madrasta de Valentina, a menina de nove anos que foi assassinada perto de Peniche. Conheça aqui os detalhes de um dos casos que mais chocou Portugal em 2020.

Quando é que tudo aconteceu?

Na manhã de quinta-feira, 7 de maio de 2020, o pai de Valentina dirigiu-se ao posto da GNR em Peniche e deu conta do desaparecimento da sua filha de nove anos. Começaram então buscas pela menina.

A operação chegou a envolver 600 elementos da GNR, Bombeiros, Proteção Civil, entre outros, e foi abrangida uma área de cerca de quatro mil hectares. O pai e a madrasta optaram por não participar. Chegou a haver notícia de um avistamento da rapariga nas Caldas da Rainha, o que se verificou como sendo falso.

Na manhã de 10 de maio de 2020 o corpo de Valentina foi encontrado perto da sua casa, em Atouguia da Baleia, e a Polícia Judiciária indicou que o pai e a madrasta estavam “fortemente indiciados” pelo seu homicídio.

Pai confessou o crime

Depois de três dias de buscas, terá sido o pai de Valentina, Sandro Bernardo, a confessar a autoria do crime à Polícia Judiciária, informando de seguida onde tinha sido ocultado o corpo. Poderá manter a mesma versão durante o julgamento que agora começa ou optar por outra estratégia de defesa.

O que se passou?

A autópsia revela que Valentina morreu de asfixia, mas conclui que ela sofreu vários traumatismos e agressões, levando o Ministério Público a deduzir que foi torturada longamente, através de agressões de grande violência e queimaduras causadas por água quente.

Uma das agressões, na zona da cabeça, levou a menina a ter convulsões e causou uma hemorragia interna, que acabaria por a matar várias horas mais tarde. Durante todo esse tempo a menina foi deixada no sofá da residência “entregue a si própria”, até que morreu.


Na altura Valentina estava em casa do pai, em Atouguia da Baleia, juntamente com três irmãos – um rapaz de 12 anos, uma menina de quatro anos e um bebé de seis meses.

Nas primeiras declarações feitas depois da detenção dos dois adultos, a Polícia Judiciária disse que não tinha sido possível determinar se os outros menores tinham assistido ao crime. No entanto, a imprensa avança que o testemunho do irmão mais velho foi importante para o desfecho do caso.

Depois de morta, o pai terá levado o corpo da sua filha para uma zona de eucaliptal e escondido atrás de uns arbustos.

Onde estão Sandro e Márcia?

Depois de apresentados a Tribunal, em Leiria, no dia 12 de maio, Sandro e Márcia Bernardo ficaram em prisão preventiva e aí permanecem.

Já dentro do estabelecimento prisional da Polícia Judiciária, Sandro Bernardo terá tentado por duas vezes suicidar-se, mas sem sucesso. Noutra ocasião escreveu uma carta ao irmão a culpar a sua mulher, madrasta da Valentina, pelo crime. Entretanto, perdeu a tutela das suas outras duas filhas.


De que são acusados?

Sandro e Márcia Bernardo são acusados de vários crimes, incluindo homicídio qualificado e profanação e ocultação de cadáver, bem como abuso e simulação de emergência. Sandro é acusado também de violência doméstica.

Se forem condenados por alguns ou todos os crimes podem apanhar a pena máxima em Portugal, de 25 anos de cadeia.

Valentina devia estar com a mãe

Valentina não vivia normalmente com o seu pai, mas sim com a sua mãe.

Contudo, devido à pandemia, a estadia com o pai acabou por se prolongar durante mais tempo do que seria normal, até que se deu o crime.

Acresce que a criança não estava sinalizada pela Segurança Social, pese embora tenha havido uma investigação anterior que foi arquivada.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+