Tempo
|
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
O pedido de ilegalização do Chega - Em Nome da Lei
O pedido de ilegalização do Chega - Em Nome da Lei
Em Nome da Lei - ouça aqui o programa na íntegra

​Em Nome da Lei

Ilegalizar o Chega seria um "erro histórico"

13 fev, 2021 • Marina Pimentel


O pedido de ilegalização do partido de André Ventura, apresentado pela socialista Ana Gomes junto da PGR, é o tema em destaque no Em Nome da Lei, da Renascença. Os constitucionalistas Paulo Otero e Miguel Prata Roque são os convidados do programa desta semana.

O constitucionalista Paulo Otero não acredita que o Tribunal Constitucional venha a decidir pela ilegalização do Chega, na sequência da exposição feita por Ana Gomes à Procuradoria-Geral da República (PGR). No programa Em Nome da Lei, da Renascença, o catedrático considera que seria um "erro histórico".

A socialista Ana Gomes, ex-candidata à Presidência da República, alega que o Chega, de André Ventura, é um partido racista, o que é proibido pela Constituição da República.

Paulo Otero lembra, no entanto, que “até agora os juízes do Constitucional sempre foram muito prudentes sobre a matéria” e defende que “ilegalizar partidos preventivamente é prática dos regimes autoritários e não das democracias”.

O professor de Direito Constitucional “compara a ilegalização de um partido, por causa do seu ideário, com a censura prévia à Imprensa, feita pela PIDE, antes do 25 de Abril”.

Paulo Otero entende que “não é legítimo uma Constituição excluir preventivamente partidos políticos. Uma democracia é por natureza tolerante”.

O catedrático defende que “só quando há tentativas de subversão da Constituição é possível ilegalizar um partido político”, o que pressupõe que se prove primeiro que os seus dirigentes, individualmente, ou em associação criminosa, praticaram o crime de incitamento ao ódio.

“Só depois se poderá colocar a questão constitucional, porque aí já não se verificará a presunção de inocência de que os partidos como as pessoas beneficiam”, defende.

O constitucionalista da Faculdade de Direito de Lisboa argumenta que “não é pelo facto de um partido defender ideias contrárias à Constituição que pode ser ilegalizado”.

Se assim fosse, o Partido Popular Monárquico (PPM) nunca poderia ter sido aceite pelo Tribunal Constitucional, porque defende a instauração de uma monarquia, objetivo que atenta contra o artigo primeiro da Constituição da República, que diz que Portugal é uma República soberana.


Tribunal Constitucional “tem sido pouco atuante”

Também Miguel Prata Roque, professor de Ciência Política da Faculdade de Direito de Lisboa, defende que a Constituição Portuguesa “é pluralista, permite que todos exprimam ideias fascistas, racistas, xenófobas, machistas ou quaisquer outras por mais repugnantes ou absurdas que nos possam parecer”.

O advogado e antigo secretário de Estado de António Costa diz que, “a não ser que haja um incitamento à prática de atos de discriminação contra determinadas minorias, e nesse caso é crime, impera o princípio da liberdade de expressão”.

Prata Roque lembra, no entanto, que “a Constituição já não permite a constituição de partidos que defendam essas ideias, porque os partidos visam a conquista do poder. E a Constituição salvaguarda a hipótese de instauração de regimes totalitários”.

Miguel Prata Roque é critico em relação à forma como o Tribunal Constitucional tem lidado com a questão dos partidos de extrema-direita.

Entende que o tribunal de que já foi assessor jurídico “tem sido pouco atuante” e lembra que fechou os olhos ao MAN e ao PNR, que mudou de nome e passou a chamar-se Ergue-te. Miguel Prata Roque aguarda, por isso, “com expectativa a decisão que irão tomar os juízes quanto à ilegalização do Chega”.

O constitucionalista lembra, no entanto, que “antes dos juízes é preciso convencer os procuradores junto do Tribunal Constitucional, entre eles a ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal, que vão avaliar em primeira linha se o partido de André Ventura viola os princípios constitucionais.

Miguel Prata Roque defende que “também é função dos tribunais velar pela paz pública”. Espera por isso que o Tribunal Constitucional intervenha no sentido de suster a escalada de agressividade e de violência do Chega. E lembra que já há pessoas que têm medo de expressar a sua opinião nas redes sociais.

O professor de Ciência Política, e ex-secretário de Estado do primeiro Governo de António Costa, tem a expectativa de que o Chega faça aquilo que o líder do PSD lhe pediu: “que modere o seu discurso”.

“Erro histórico”

Já o constitucionalista Paulo Otero considera “um erro histórico querer atirar para fora do sistema um partido político. Porque, das duas uma, ou ele é irrelevante politicamente, e então não vale o esforço, ou tem uma adesão significativa no eleitorado, e acabará por sobreviver na ilegalidade, como a história tem demonstrado”.

Mas então como se pode defender a democracia dos que atacam os seus valores? Paulo Otero responde que “o Chega não é um fenómeno ideológico. Vive do eleitorado descontente com os partidos do sistema”. Por isso, “a questão só se resolve quando os partidos tradicionais forem capazes de dar resposta aos problemas das pessoas”, defende.

O programa Em Nome da Lei, da Renascença, é transmitido aos sábados, depois das 13h00 e à meia-noite.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Domingos Dias
    26 abr, 2021 almada 17:34
    A tentativa de ilegalizar o chega é próprio de imbecis do politicamente correto agora muito na moda. Gostava de saber onde está o racismo por se exigir que ciganos, pretos, brancos, cochos ou marrecos cumpram com as leis da republica. Racismo em minha opinião é defender como faz o BE de que os ciganos devem ser discriminados pela positiva. Parece-me que a Constituição diz que ninguém pode ser discriminado nem pela positiva nem pela negativa.
  • Cidadao
    28 fev, 2021 Lisboa 11:48
    Mal ou bem, o Chega! foi uma pedrada neste charco de "tudo bons rapazes" que mais parece uma farsa de conluio e conchavo dos partidos tradicionais. Estes, abandonaram as pessoas e são apenas agências de Empregos. Aparecer um partido não alinhado com isso e que denuncie a situação, dando efetivamente voz aos descontentes, está a pô-los de cabelos em pé. E agora com 500 000 pessoas a votar Chega!, já não é possivel ignorá-lo. Como para os partidos tradicionais está fora de causa resolver os problemas das pessoas descontentes, a tática é tentar ilegalizar o partido que se lhes opõe e nada melhor que a gorda-à-procura-de-tacho da Ana Gomes. Se tiver sucesso, arranja um bom tacho. Se não, então cai ela e os outros partidos não "tiveram nada a ver com isso, foi uma iniciativa da cidadã". Não será ilegalizado, mas se fosse, essas 500 000 pessoas não desapareciam nem iriam votar nos partidos do Regime, e o Chega! a movimentar-se na clandestinidade, era capaz de fazer mais estragos que agora.
  • J M
    15 fev, 2021 Seixal 17:11
    Na realidade um erro histórico foi legalizá-lo.
  • Ivo Pestana
    15 fev, 2021 RaM 14:52
    Combatam o Chega pelo voto e boas políticas. De resto o Chega tem o mesmo direito dos outros partidos. Gostem ou não. O povo é soberano.
  • Paulo Teixeira
    15 fev, 2021 Oliveira de Azeméis 03:56
    Boa noite Depois de ouvir as baboseiras de Miguel Prata Roque, gostava que tentassem ser sensatos e racionais nas análises. Cito uma pequena parte do discurso do mesmo, sobre os princípios do partido politico CHEGA:“...Integração dos recém chegados na população portuguesa” e “ ...opção por culturas semelhantes à nossa”, onde o mesmo, chama a isto de racismo. Certamente que o caro Miguel desconhece a definição de racismo. Apelo á Renascença que, quando fizerem análises, e falem de racismo, seja a alguém que sabe o que isso significa, não querendo questionar os conhecimentos do Sr. Miguel... Exceto isso, gostei muito... Bom trabalho. Agradecido
  • Ricardo
    15 fev, 2021 Lisboa 01:13
    Lamentável, a condução do Programa por parte de quem o deveria mediar Quando faltam argumentos, partem para o extremismo, os que se dizem democratas Que hipocrisia A Renascença não era assim Já pensou ilegalizar a extrema esquerda por incitar á quebra da Família e tentar apagar a História de Portugal Que seja perdoada
  • João Lopes
    14 fev, 2021 Viseu 15:20
    Finalmente apareceu alguém - André ventura - que ergue a voz contra os novos "senhores disto tudo": o PS, PCP e Bloco de Esquerda que não conseguem ter argumentos contra a dialética sensata, inteligente, educada, popular, de André Ventura...