Tempo
|
Dina Isabel
Opinião de Dina Isabel
A+ / A-

​Jamais serei idosa

11 fev, 2021 • Opinião de Dina Isabel


A partir de que idade perdemos a nossa identidade?

Jamais serei idosa! Não se deixem enganar pela entrada, faço questão de morrer tarde e, se possível, ser uma “velha gaiteira”.

As palavras são o que são e têm o sentido que lhe quisermos dar, eu não gosto da palavra “idoso”. Bem sei que é uma categorização fácil para podermos arrumar as pessoas por idades: criança, jovem, adulto, meia-idade, idoso. Lamento, mas não.

E porque é que eu não gosto da palavra? Uma questão de perceção, a minha, claro. Idoso parece uma forma de dizer “última estação”. Idoso é aquele que se conforma, que acha que já não vale a pena, que deixa de ser criativo, de viver avidamente, de amar e ser amado pelos que o rodeiam. E não estou apenas a falar do amor dos filhos e dos netos, estou a falar do direito de partilhar os dias, as horas e o futuro, sim o futuro, com alguém ao seu lado. Volto a dizer, é apenas a minha forma de ver e sentir a questão.

E agora uma verdade que todos sabemos, mas sobre a qual provavelmente não paramos para pensar: ninguém se sente com a idade que tem. Se pensar bem nesta questão relativamente a si, vai ver que é verdade. Podemos dizer que há duas versões de nós, a forma como nos vemos e a forma como os outros nos veem. Tenho para mim que a primeira influencia a segunda.

Foquemos-mos na segunda versão para falar de um assunto que me incomoda, a partir de que idade é que perdemos o direito à nossa identidade? A partir de que idade é que passamos a ser “velhinhos amorosos” (ou não), “avozinho ou avozinha” e nos deixam de tratar pelo nome, pelo que valemos, pelo que continuamos a ser. Porque é que o Dr. Francisco ou o Sr. António passam a ser simplesmente idosos quando chegam a determinada idade?

Ao longo da minha vida profissional estive muitas vezes próxima desata faixa etária, quer conhecendo pessoas fantásticas e sábias que já lá chegaram, quer aprendendo com profissionais das mais diversas áreas que têm refletido muito sobre este assunto.

Os meus pais vão a caminho dos oitenta e não, para mim nunca serão idosos. Para mim são e serão o Rogério e a Mariana.

Um destes dias, quando lá chegar, posso ficar rabugenta e refilona (há coisas que se acentuam) mas debaixo daquelas rugas e cabelos brancos continuarei a ser a mesma e gostaria de ser tratada como tal.

Obviamente terão de me ouvir a contar histórias repetidas dos meus amores: a minha família e a minha profissão. Se tiverem consideração vão fingir que nunca ouviram, mantendo o olhar interessado de quem ouve pela primeira vez.

Se a reação for de enfado e falta de paciência, há uma coisa que ainda não vos disse: com a idade, reservo-me o direito de dizer tudo o que penso, ainda mais que hoje.

Por todas estas razões, jamais serei idosa! Está comigo?

Artigos AnterioresDina Isabel

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Elisabete Saraiva
    12 fev, 2021 Setúbal 12:57
    Minha cara Dina, Estou sim... Até por assim que começamos a ter "idosos" começamos também a ter pessoas sem família, encontradas mortas à 2, 3 e mais semanas sem que ninguém se tenha apercebido da sua falta. Posto isto não serei "idosa", e na minha família não há idosos, há sim alguns elementos da família com mais de 80 anos de experiência. Há ao meu lado uma linda septuagenária com a qual trocamos petiscos e cuidados vários.