Tempo
|
A+ / A-

​Governo pede que “intrigas” não prejudiquem presidência portuguesa da UE

29 jan, 2021 - 11:57 • Susana Madureira Martins , Cristina Nascimento

Deputados debateram no Parlamento as prioridades da presidência portuguesa. Rui Rio pediu uma vacinação contra a Covid equitativa dentro da União Europeia.

A+ / A-

O ministro dos Negóciso Estrangeiros, Augusto Santos Silva, pede ao Parlamento que as intrigas não prejudiquem o consenso parlamentar em torno da presidência portuguesa da União Europeia.

O apelo foi feito esta sexta-feira perante os deputados, numa referência implícita à polémica em torno do procurador europeu.

“O que aqui se viu hoje que é um consenso em torno de reforçar a exposição nacional, um consenso que percebe bem o que é essencial e o que é acessório na definição da nossa estratégia europeia, este consenso não só não pode ser prejudicado por intrigas políticas desenvolvidas noutros fóruns que prejudicam o interesse nacional”, disse o ministro.

Durante o debate sobre as prioridades da presidência portuguesa da União Europeia, apenas o deputado do Chega André Ventura abordou o caso do procurador europeu.

Do lado do PSD, Rui Rio subiu à tribuna para pedir que a vacinação contra a Covid-19 seja verdadeiramente equitativa nos 27 Estados-membros.

“Vacinação que tem de ocorrer em circunstâncias de grande igualdade entre estados membros, que é o mesmo que dizer, entre cidadãos europeus, independentemente da sua nacionalidade de origem. As vacinas têm de chegar ao mesmo tempo, no maior número de quantidades possível e proporcionais à dimensão populacional de cada país”, disse Rio.

A presidência portuguesa do Conselho da União Europeia começou a 1 de janeiro e prolonga-se até 30 de junho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+