Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Regulador europeu confirma segurança de vacina da Pfizer/BioNTech

29 jan, 2021 - 12:00 • Lusa

Os casos reportados de pessoas que morreram depois de receber a vacina contra a Covid-19 em países como a Noruega, Finlândia, Dinamarca, Islândia e Suécia, "não levantam preocupações de segurança", garante o regulador europeu.

A+ / A-

A vacina para a Covid-19 da Pfizer/BioNTech não está ligada a qualquer morte pós-inoculação notificada nem apresenta risco particular para idosos, anunciou esta sexta-feira a Agência Europeia para o Medicamento (EMA, na sigla inglesa).

“Não foi identificada qualquer preocupação específica de segurança para a utilização de vacinas em indivíduos idosos frágeis”, segundo um comunicado da EMA, no qual é sublinhado que “os benefícios da Comirnaty na prevenção da covid-19 continuam a superar quaisquer riscos, não sendo recomendada qualquer alteração sobre a utilização da vacina”.

O regulador europeu dos medicamentos afirmou que tinha revisto as mortes desde que a vacina foi lançada pela primeira vez, incluindo uma série de idosos, e "concluiu que os dados não mostravam uma ligação com a vacinação Comirnaty e que os casos não suscitam preocupações de segurança".

Na sua primeira atualização sobre a segurança da vacina da Pfizer/BioNTech desde que a União Europeia (UE) iniciou a sua campanha de vacinação em dezembro, a EMA concluiu que os dados "são consistentes com o perfil de segurança conhecido da vacina e não foram identificados novos efeitos secundários".

O efeito secundário já identificado é o de uma reação alérgica à vacina.

O regulador da UE aprovou já as vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna, esperando-se para breve a da AstraZeneca/Oxford.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.176.000 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 11.305 pessoas dos 668.951 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+