Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Um quarto das mortes por Covid foram de idosos em lares, mais de 800 nos últimos 15 dias

26 jan, 2021 - 21:30 • Joana Gonçalves

Mais de três mil idosos residentes em lares perderam a vida devido à Covid-19 em Portugal, desde o início da pandemia. Cerca de dois mil, só nos últimos dois meses. A região de Lisboa e Vale do Tejo é a mais afetada.

A+ / A-

Veja também:


Mais de um quarto das pessoas que morreram de Covid-19 em Portugal residiam em lares. Os dados foram avançados à Renascença, esta terça-feira, pela Direção-Geral da Saúde.

De acordo com a última atualização da DGS, “desde o início da pandemia e até ao dia 25 de janeiro, registaram-se em Portugal 3.081 óbitos acumulados por Covid-19 de pessoas residentes em lares”.

A 13 de novembro o número fixava-se nas 1.090 vítimas, o que significa que mais de metade dos óbitos (65%), isto é, 1.991 mortes, ocorreram nos últimos dois meses. Já desde 10 de janeiro são 827 a vítimas a lamentar.

A autoridade de saúde avança ainda que, do total de óbitos "ocorridos dentro dos lares ou em hospitais”, 676 ocorreram no Norte, 835 no Centro, 1.219 em Lisboa e Vale do Tejo, 305 no Alentejo e 46 no Algarve.

A região de Lisboa e Vale do Tejo regista, assim, 40% dos óbitos de pessoas a viver em estruturas residenciais para idosos.

Na semana passada, a Associação de Apoio Domiciliário, de Lares e Casa de Repouso de Idosos apelou a um reforço do Programa Adaptar Social+, para garantir que há equipamentos de proteção individual e outros meios em todas as estruturas.

João Ferreira de Almeida foi ouvido na comissão parlamentar para o acompanhamento da aplicação de medidas de respostas à pandemia, onde deixou esse apelo.


“Passados 10 meses eu já não percebo que tantos surtos continuem a acontecer em lares de idosos. Não só tantos surtos, como, ainda por cima, com a dimensão terrível que têm, porque é a totalidade dos idosos em muitos casos, é aos 30, 40, 60 idosos todos infetados, mais as empregadas”, afirmou o presidente da ALI.


Em novembro, a proporção de mortes em lares era maior, o que revela, também, que o número de óbitos devido à doença aumentou nos grupos etários mais novos e nos idosos que não residem nestas estruturas. Vários especialistas tinham já alertado para a prioridade urgente na vacinação dos maiores de 80 anos, independentemente de residirem ou não em lares.

Sublinhando que o que os move “não é um juízo político, mas um imperativo ético e uma preocupação científica”, nomes como António Silva Graça (epidemiologista), Pedro Simas (virologista), Filipe Froes (pneumologista) e Constantino Sakellarides (especialista em saúde pública) defendem que “a forma mais eficaz de reduzir o número total de mortos é vacinar os maiores de 80 anos e o pessoal médico e de saúde”.

A ministra da Saúde anunciou, na segunda-feira, que o plano de vacinação contra a Covid-19 vai ser atualizado para passar a incluir no primeiro grupo de prioritários os portugueses que imtegram esta faixa etária.


Mortes Covid-19 em Portugal por faixa etária

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+