Tempo
|
A+ / A-

Explicador

Vacina contra a Covid-19 já começou a revelar benefícios. Sabe quais?

26 jan, 2021 - 11:01 • Miguel Coelho

Em Israel, o país mais avançado na vacinação contra o novo coronavírus, o número de casos já baixou. Mas há mais novidades no que toca à inoculação.

A+ / A-

Veja também:


Há várias boas notícias sobre a vacina contra a Covid-19 que surgiram nos últimos dias. Chegam de várias partes do mundo e vêm reforçar a esperança de conseguirmos pôr fim a esta pandemia.

Comecemos pelo país conhecido como "o rato de laboratório do mundo"

É Israel, o país do mundo com a taxa de vacinação mais avançada. Apostou tudo numa vacinação ultrarrápida e já deu pelo menos uma dose da vacina da Pfizer a mais de um terço da população.

Por isso, está a ser seguido com muita atenção pelos especialistas de todo o mundo, para perceber até que ponto a vacina é eficaz. E a boa notícia é que os primeiros dados, embora ainda preliminares, mostram que o número de casos de Covid-19 já caiu de forma significativa com apenas uma dose – uma queda de cerca de 60%.

Entre as pessoas que já receberam duas doses, apenas 0,01% contraíram o vírus, o que parece comprovar que a vacina é realmente eficaz e até mais do que mostravam os ensaios clínicos.

Eficácia contra novas variantes

Outra boa notícia foi divulgada na segunda-feira pela Moderna, que fabrica outra das vacinas que já estão a ser administradas também em Portugal. Os estudos mostram que a vacina protege também contra as variantes britânica e sul-africana do novo coronavírus – são estirpes mais contagiosas e potencialmente mais perigosas, mas os testes feitos pela Moderna provaram que a vacina funciona também para essas variantes.

Ainda assim, para que não restem dúvidas, a empresa anunciou que já está a desenvolver uma versão reforçada da vacina.

Mas como resolver a escassez de vacinas?

É um problema que se vai resolver à medida que o tempo for passando e à medida que novas vacinas sejam aprovadas.

Até à próxima sexta-feira, a União Europeia deve autorizar a distribuição da vacina da farmacêutica AstraZeneca (apesar da polémica atual, com Bruxelas a acusar a empresa de querer desviar vacinas para o Reino Unido).

Aguardam-se também, antes do fim deste mês, as conclusões da última fase dos ensaios clínicos da vacina da Janssen, que pertence à multinacional Johnson & Johnson. Os resultados iniciais foram muito bons e promete ser uma vacina que será necessário administrar uma única dose. E não precisa de frigoríficos especiais.

EUA anunciam vacina da Janssen para breve

Os Estados Unidos já disseram que tencionam aprovar esta vacina, o mais tardar, dentro de duas semanas. De tal modo que o novo Presidente, Joe Biden, anunciou nas últimas horas o aumento de 100 para 150 milhões de norte-americanos a vacinar nos primeiros 100 dias de mandato – ou seja, nos próximos três meses, pouco mais.

Biden já fala até na possibilidade de os Estados Unidos atingirem a chamada imunidade de grupo até ao Verão.

E Portugal?

Parece que já passou muito tempo, mas só nesta terça-feira faz precisamente um mês desde que as primeiras vacinas chegaram. Era desejável que tudo andasse mais depressa, mas é de prever que comece a acelerar com o passar das semanas e a chegada de novas vacinas.

Até agora, vieram para Portugal pouco mais de 400 mil doses e foram vacinadas cerca de 250 mil pessoas – nomeadamente, profissionais de saúde e utentes e funcionários de lares.

Mas a ministra da Saúde anunciou, na segunda-feira, que já na próxima semana vai começar a vacinação de pessoas com mais de 50 anos que tenham patologias graves, como insuficiência cardíaca ou renal, doenças coronárias e respiratórias.

E os idosos com mais de 80 anos também vão ser incluídos no grupo de prioritários, devendo ser vacinados até final de março.

Como vai ser feita a marcação da vacina?

As pessoas que estejam registadas num centro de saúde vão ser contactadas através de SMS ou por outros meios (telefone ou carta) e ser-lhes-á perguntado se querem ser vacinadas.

Caso a resposta seja afirmativa, será marcado dia, hora e local para a vacinação. A Renascença já fez um explicador sobre isso, que pode recordar aqui.

Uma pessoa que leve a vacina tem de continuar a usar máscara?

Sim, por várias razões: primeiro, porque demora várias semanas até as pessoas ficarem imunizadas; em segundo, mesmo que levem a vacina, há a possibilidade de contraírem o vírus. Se estiverem imunizadas, não ficam doentes – ou, pelo menos, não adoecem com gravidade – mas podem contagiar outras pessoas que não estejam ainda vacinadas.

Assim, há que primeiro vacinar toda a gente, contribuir para que a situação melhore e depois, sim, talvez possamos deixar as máscaras.
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Silva Romao P
    01 fev, 2021 Boavista 12:35
    sou beneficiario do SAMS (serviço de saúde dos bancários), não estou recênciado num centro de saúde. Como faço para ser vacinado contra o covid-19? Tenho 80 anos e sou hipertenso, doente cardíaco,(já tive um enfarte do miocárdio), diabetes.

Destaques V+