Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

INEM acusa técnicos de emergência de aproveitamento de situação dramática

23 jan, 2021 - 00:33 • Redação

Em causa estão as declarações do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar que considera que a acumulação de ambulâncias nos serviços de urgência dos hospitais, verificada nos últimos dias, resulta de "falta de coordenação" por parte do INEM.

A+ / A-

Veja também:


O INEM rejeita as acusações do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) de “falta de preparação” e “inação”.

Em comunicado, o Instituto de Emergência Médica acusa o STEPH de querer “tirar dividendos de uma das situações mais dramáticas que o nosso país alguma vez enfrentou”.

Em causa as declarações do dirigente sindical, Rui Lázaro, que criticou o que disse ser a falta de coordenação que tem levado a que ambulâncias se acumulem nas urgências dos hospitais, deixando os doentes várias horas no exterior à espera de serem atendidos.

“Não se entende como, perante este acumular de ambulância nas urgências de alguns hospitais, não se faz o contacto com outras unidades e não se encaminha o doente para outras unidades. Mesmo que fosse para fora da região, a viagem era mais demorada, mas, ainda assim, o doente era atendido mais cedo”, afirmou Rui Lázaro à agência Lusa.

Na resposta, o INEM refere que “em situações de elevada pressão sobre um hospital, os CODU podem, transitoriamente, desviar doentes para outras unidades de saúde”.

“Este mecanismo, saliente-se, é transitório e apenas pode ser implementado pelos CODU quando existe capacidade dos hospitais vizinhos para absorverem esses doentes”, acrescenta o INEM.

Mas no quadro de pressão que a pandemia colocou sobre as urgências, o INEM reconhece que “o desvio de ambulâncias para outros hospitais não é possível ou apenas é exequível em situações muito concretas e pontuais”.

Contudo, garante o instituto, os utentes podem ser observados pelas equipas destas unidades para averiguar a prioridade na admissão e assegura que a pré-triagem dos doentes que aguardam nas ambulâncias “está a ser feita de forma sistemática” pelos profissionais de saúde dos hospitais.

O INEM diz ainda que, com as recentes medidas de confinamento adotadas, “é expectável” que diminuam as ocorrências que justificam o envio de meios de emergência médica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+