Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Hungria ignora UE e compra “grandes quantidades” da vacina russa

22 jan, 2021 - 11:19 • Lusa

Anúncio foi feito numa visita do ministro dos Negócios Estrangeiros a Moscovo. A UE ainda só autorizou duas vacinas: a da Pfizer-BioNTech e a da Moderna. A da AstraZeneca, já utilizada no Reino Unido, aguarda parecer.

A+ / A-

O Governo húngaro anunciou nesta sexta-feira ter chegado a acordo para comprar “grandes quantidades” da vacina russa Sputnik V, contra a Covid-19, embora esta ainda não tenha sido autorizada pelas autoridades de saúde europeias.

O ministro húngaro dos Negócios Estrangeiros, Peter Szijjarto, fez o anúncio durante uma visita a Moscovo, num vídeo divulgado através da rede social Facebook, acrescentando que “os pormenores serão apresentados mais tarde”.


O anúncio foi feito depois de, esta semana, o regulador húngaro ter dado ‘luz verde’ ao uso da vacina, apesar das críticas de Budapeste sobre a “morosidade” do processo de aprovação da vacina pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Apenas duas vacinas estão atualmente autorizadas na União Europeia: a Pfizer-BioNTech e a Moderna. O parecer sobre a da AstraZeneca, já utilizada no Reino Unido, deverá ser publicado até ao final do mês.

O primeiro-ministro húngaro, o nacionalista Viktor Orban, reiterou hoje a sua impaciência, um dia depois da reunião dos 27 sobre o assunto.

“Temos de enfrentar o facto de que alguma coisa está errada ao nível da UE”, criticou, durante a sua tradicional entrevista semanal de rádio.

“Se não há vacinas na União [Europeia], vamos buscá-la a outro sítio. Não é admissível que os húngaros morram por causa disso”, acrescentou o dirigente, cujos confrontos com Bruxelas já sõ habituais.

As autoridades russas solicitaram o registo da Sputnik V na UE, que Moscovo diz ser ter uma eficácia de mais de 90%, mas a EMA ainda não iniciou o processo de avaliação.

Embora tenha recebido críticas quando foi aprovada, em agosto de 2020, a Sputnik V já foi administrada a mais de 1,5 milhões de pessoas, de acordo com a Rússia, o que a tornou num instrumento de influência geopolítica.

“A Hungria é o primeiro país da UE a perceber os benefícios da Sputnik V”, elogiou Kirill Dmitriev, diretor do Fundo Soberano da Rússia (RDIF), que financiou o desenvolvimento da vacina, em um comunicado divulgado na quinta-feira.

A Hungria também encomendou um milhão de doses da vacina chinesa Sinopharm e aguarda autorização dos inspetores húngaros, que estão atualmente em Pequim.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.075.698 mortos resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+