Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Reveja a comunicação de Costa ao país

21 jan, 2021 - 14:30 • Cristina Nascimento

Avanço da estirpe inglesa da Covid-19 tem complicado a evolução da pandemia e é uma das razões que está na origem de novas alterações ao estado de emergência.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro anunciou o encerramento de todos os estabelecimento de ensino, das creches às universidades, durante 15 dias, começando já esta sexta-feira, dia 22 de janeiro. António Costa falava após nova reunião de Conselho de Ministros, que se prolongou por mais de cinco horas.

António Costa anunciou várias medidas:

As familias com crianças menores de 12 anos serão apoiadas "idêntico ao que foi dado na primeira fase do confinamento".

Tal como no primeiro confinamento, haverá escolas a funcionar para filhos de trabalhadores essenciais e serão garantidas as refeições escolares aos beneficiários da ação social.

"Temos de apressar o controlo desta situação", disse Costa, adiantando que as medidas agora anunciadas serão reavaliadas daqui a 15 dias. "Desejamos que seja uma interrupção de curta duração", disse ainda o Chefe do Governo.

Portugal registou na quinta-feira 221 mortes relacionadas com a Covid-19 e 13.544 novos casos de infeção com o novo coronavírus, os valores mais elevados desde o início da pandemia, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O número de internamentos está a subir desde o dia 1 de janeiro, dia em que estavam 2.806 pessoas internadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FIlipe
    21 jan, 2021 évora 15:22
    Os 15 dias irão salvar 5.000 mortos e 2.000 com sequelas permanentes , mas seguramente que estes 15 dias irão transformar-se em 150 dias devido à agressividade das estirpes ativas . Mas , faltou mais e muito mais neste plano de confinamento , nomeadamente definir quem na família pode sair de casa para ir à procura das exceções , pois se forem todos , acaba por não haver confinamento nas porta dos hipermercados e lá dentro. Ainda não percebo porque tem de sair 4 e 5 pessoas da mesma família todos os dias para irem ao Continente comprar peras , sendo no fundo que tal e qual como os cães e cadelas , andam é a cheirar o rabo dos outros .
  • Fatima
    21 jan, 2021 Aveiro 14:57
    Boa tarde, Já falou na questão das creches?

Destaques V+