Tempo
|
A+ / A-

Marta Temido faz apelo dramático aos portugueses: "Por favor, ajudem-nos todos"

19 jan, 2021 - 19:10 • Redação

A ministra da Saúde avisa que "os próximos tempos vão ser duríssimos" na luta contra o avanço da pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


"Por favor, ajudem-nos todos". Foi com este apelo urgente que a ministra da Saúde, Marta Temido, encerrou esta terça-feira o debate na Assembleia da República, com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

O repto dramático de Marta Temido aos portugueses aconteceu no dia em que o país regista um novo máximo diário de 218 mortes por Covid-19.

A ministra da Saúde avisa que "os próximos tempos vão ser duríssimos" e o país precisa da colaboração de todos, para que façam o que está ao seu alcance para impedir o avanço da pandemia.

Questionado pelo deputado João Cotrim Figueiredo, da Iniciativa Liberal, sobre um hospital em Miranda do Corvo que ainda não abriu portas, Marta Temido diz que faltam profissionais de saúde.

"O que temos são camas e espaço, não há um hospital onde há camas e onde há espaço, isso não é um hospital. Há enfermeiros para mandar para lá? Há médicos para mandar para lá? Paremos de enganar os portugueses", declarou a governante.

O debate desta terça-feira no Parlamento ficou também marcado por uma declaração do primeiro-ministro. António Costa admite que, se a variante britânica da Covid-19 se tornar dominante em Portugal, as escolas podem mesmo encerrar.

As escolas secundárias nos concelhos de risco extremamente elevado vão ser alvo de uma campanha, recorrendo a testes rápidos. A campanha arranca esta quarta-feira, 20 de janeiro, e vai abranger estabelecimentos de ensino públicos e privados.


Costa sobre alívio no Natal. "Hoje, nunca nenhum de nós teria defendido aquelas medidas​"
Costa sobre alívio no Natal. "Hoje, nunca nenhum de nós teria defendido aquelas medidas​"

O primeiro-ministro também declarou, no Parlamento, que se a realidade da pandemia em dezembro fosse a atual, o alívio de medidas permitido na época das festas de Natal não teria acontecido.

Esta terça-feira, Portugal atingiu um novo máximo diário de 218 mortes devido à Covid-19 e um total de 10.445 casos.

Desde a chegada da pandemia a Portugal, em março do ano passado, já morreram mais de 9.246 pessoas com Covid-19 e quase 557 mil casos foram confirmados, de acordo com o balanço avançado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Evolução da Covid-19 em Portugal

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Machado Peixoto
    20 jan, 2021 Luxemburgo 13:35
    Não sendo eu partidário só tenho a dizer que as palavras certas são: POR FAVOR AJUDEM-NOS TODOS. Não é como uma comentadora que aqui comentou, que tanto que comentou, não consegue saber o que diz, nem dizer o que sabe. Lamento profundamente que quem muito fala pouco acerta, lá diz o velho ditado.
  • António dos Santos
    20 jan, 2021 Coimbra 13:22
    Quando se houve o Primeiro Ministro dizer: que apesar dos especialistas aconselharem o fecho das escolas (houve só um, que deve ser burro ou incompetente), mas o posição de abrir as escolas é uma decisão política!!!! Aconselho o nosso Primeiro Ministro e o governo a colocar a decisão política "no dito cujo" e deixe de brincar com a saúde dos portugueses. A continuar assim, o governo está a praticar um crime contra os portugueses e por isso, deve demitir-se, por incompetência. O que lamento, porque o governo até estava a governar bem.
  • Ivo Pestana
    20 jan, 2021 Madeira 12:33
    Estamos em pandemia e não é fácil. A Sra Ministra faz o que pode e sabe, e talvez o que a deixam fazer. Não é incompetente, muitos já tinham abandonado o cargo. Dizer mal é fácil e todos erramos. Sou solidário com a luta, contra este vírus. Basta ver o que se passa no mundo, para constatar como é uma batalha difícil. Força e cautela.
  • Petervlg
    20 jan, 2021 Trofa 10:16
    Este governo anda desde Fevereiro de 2020 a brincar com os Portugueses, tanto tempo para se prepararem e agora é isto! Já demonstraram, por A B, que não tem capacidade
  • Americo Anastacio
    19 jan, 2021 Leiria 22:29
    I N C O M P E T E N T E
  • EU
    19 jan, 2021 PORTUGAL 21:19
    Como me é pedida AJUDA, cá estou EU. Enquanto em Aveiro se joga e a TELEVISÃO transmite, eu ouço JMJ na SIC-NOTICIAS. ESTÃO A OUVI-LO? Se não, OUÇAM o que Ele diz. Saúde para todo o SER VIVO.
  • Maria Belarmina Fig.
    19 jan, 2021 Lisboa 19:36
    Os portugueses não têm de ajudar, têm apenas de cumprir as regras que lhes são impostas, isso sim. Só quem é completamente idiota e inconsequente é que ainda não percebeu a gravidade da situação. Porém, pior que a falta de cumprimento dos portugueses daquilo que é determinado é a estupidez e teimosia do primeiro ministro, quando insiste em manter as escolas abertas. Será que ainda não entendeu que os especialistas são todos unânimes na necessidade imperiosa de que se proceda ao encerramento das escolas? O primeiro ministro está realmente interessado em matar ainda mais velhos...Será que ele acha que morreram poucos até agora? O que é que se pretende? Diminuir ainda mais a população portuguesa? Estamos perante a incompetência de todo um governo...incompetência com custos muitos avultados em todos os sentidos. Tenha vergonha sr. primeiro ministro...se não sabe como lidar com a situação, demita-se e deixe o lugar para outro que seja realmente competente e que tenha a firme vontade de defender a vida dos portugueses.

Destaques V+