Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Administradores hospitalares dizem que "hora é grave" e que tutela tem de liderar resposta

19 jan, 2021 - 12:46 • Lusa

“A solução não pode ser limitada a medidas restritivas das liberdades individuais.", adverte a Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares.

A+ / A-

A Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) considerou, esta terça-feira, que “a hora é grave” e que compete ao Ministério da Saúde liderar a resposta à crise, garantir tranquilidade à população e coordenação e ativação de meios no terreno.

“A hora é grave. É necessário manter a clareza do propósito. As dificuldades ultrapassam-se com medidas coordenadas e concretas”, defendem os administradores hospitalares em comunicado.

“A solução não pode ser limitada a medidas restritivas das liberdades individuais. É nossa responsabilidade reconhecer a diferença e comunicar de forma segmentada, promovendo comportamentos adequados por parte dos diferentes grupos populacionais”, defende a associação no comunicado.

Para a APAH, “o único instrumento que o sistema de saúde tem para controlar a pandemia – o rastreio ativo de contactos – deve ser, de uma vez por todas, capacitado em termos de meios humanos”, seguindo as instruções da Organização Mundial da Saúde e do Centro Europeu de Controlo de Doenças.

Este reforço, defende, deve ser maximizado através do alargamento dos meios de diagnóstico.

Segundo a APAH, “os meios hospitalares devem ser coordenados, profissionalmente, em rede, considerando a ativação em larga escala de respostas alternativas ao internamento hospitalar, e operacionalidade permanente da resposta urgente/emergente”.

A associação alerta ainda para as condições de trabalho “tremendamente difíceis” dos profissionais de saúde, considerando que lhe é “devido apreço, gratidão e total solidariedade”.

“É nossa obrigação contribuir para que exerçam as suas funções com este nosso conforto”, sustentam os administradores hospitalares.

“Dentro de circunstâncias particulares, em cada organização estão profissionais a dar o seu melhor”, cabendo ao Ministério da Saúde “liderar a resposta à crise, garantindo tranquilidade à população, e coordenação e ativação de meios no terreno”, advoga a APAH.

“Compete a todos nós trabalhar ativamente para que esta difícil etapa seja ultrapassada com o menor número de vítimas”, afirmam.

Segundo dados da Direção-Geral da Saúde, Portugal ultrapassou na segunda-feira os 5.000 mil internamentos por covid-19, dia em que estavam internadas 5.165 pessoas em enfermaria devido à covid-19 e 664 em unidades de cuidados intensivos.

Em Portugal, já morreram 9.028 pessoas dos 556.503 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+