Tempo
|
A+ / A-

Portalegre

2.º caso em menos de uma semana. Homem morre depois de quase três horas em ambulância

19 jan, 2021 - 07:25 • Lusa

Paciente foi de Cabeço de Vide, onde há um surto de Covid-19, para Portalegre. Tinha 87 anos, mas não estava infetado. É o segundo caso em que uma pessoa morre numa ambulância enquanto espera para dar entrada num hospital.

A+ / A-

Veja também:


Em menos de uma semana, é o segundo caso de uma pessoa a morrer à porta de um hospital. Vai ser aberto um inquérito para apurar as circunstâncias da morte de um octogenário, na noite de segunda-feira, na área dedicada aos doentes respiratórios do hospital de Portalegre, depois de estar quase três horas numa ambulância.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do conselho de administração e o enfermeiro-diretor da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), Joaquim Araújo e Jorge Marques, respetivamente, anunciaram a abertura do inquérito e afirmaram que o idoso, de 87 anos, oriundo de um lar de Cabeço de Vide, no concelho de Fronteira, foi triado dentro da ambulância que o transportou, na qual esteve, pelo menos, duas horas e 44 minutos, devido à zona Covid-19 da urgência estar lotada.

Segundo as mesmas fontes, o idoso foi inscrito no hospital às 16h29 e triado por um enfermeiro, dentro da ambulância, seis minutos depois, às 16h35.

"O doente é totalmente dependente, é trazido [ao hospital] por dispneia [falta de ar] de um lar de Cabeço de Vide, onde há um surto de Covid-19, razão pela qual entra no circuito Covid", explicaram.

No entanto, de acordo as fontes da ULSNA, o doente não estaria infetado pelo vírus que causa a Covid-19 – informação que apenas terá sido obtida pela unidade hospitalar após ter sido declarado o óbito.

Na sequência da triagem, foi possível apurar que o doente "não está dispneico pela saturação baixa [de oxigénio]" e é-lhe atribuída a pulseira amarela, de doente urgente.

"Na altura em que é triado, o enfermeiro fala com a médica que passa pela ambulância a ver o doente, pois a área dedicada a doentes respiratórios estava lotada, tendo a médica confirmado que o doente estava estabilizado", disse Jorge Marques.

Às 19h13, uma enfermeira em funções de chefe de equipa foi abordada por um bombeiro, que a informou que o octogenário "estava pior", tendo o idoso sido assistido, de imediato, na ambulância.

Dali, ainda de acordo com as mesmas fontes, foi levado para a sala de reanimação da área dedicada a doentes respiratórios, onde o óbito acabou por ser declarado 17 minutos mais tarde, às 19h30.

Este é o segundo caso, em poucos dias, de uma pessoa que morreu numa ambulância enquanto esperava para dar entrada. Na semana passada, foi no hospital de Torres Vedras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+