Tempo
|
A+ / A-

Requisição Civil

Ana Gomes critica "querelas ideológicas", mas Marcelo diz que capacidade dos privados também está no “limite”

18 jan, 2021 - 10:18 • Fábio Monteiro

Perante a ideia de requisição civil, Marcelo Rebelo de Sousa apareceu, mais uma vez, como contrapeso. O atual Presidente da República disse que a ideia que os privados têm capacidade para dar resposta aos doentes covid é errada e que até agora “não foi necessária”.

A+ / A-

No combate à pandemia e a menos de uma semana das eleições presidenciais, Ana Gomes, Marisa Matias e João Ferreira estão em sintonia. Os três candidatos apoiados pelos partidos de esquerda, no debate transmitido na Renascença, Antena 1 e TSF esta segunda-feira, defenderam que perante o período excecional que o país vive o Presidente da República devia ter aconselhado o Governo a avançar com a requisição civil dos privados e não ter sido uma força de bloqueio.

Ana Gomes garantiu que se fosse Presidente da República não permitiria “querelas ideológicas” sobre os privados e o reforço do SNS. Marisa Matias afirmou que “para situações excecionais temos que ter medidas excecionais” e que só requisitando “todos os meios é que podemos ter capacidade de resposta”.

Já João Ferreira apareceu a cobrar um compromisso do Governo. No Orçamento de Estado para 2021, o Governo comprometeu-se a reforçar as unidades de cuidados intensivos da rede do SNS com 400 camas e contratação de profissionais.

“Desde logo reforçar a resposta das unidades de saúde, temos os meios necessários previstos no Orçamento de Estado, já em janeiro, onde ficou previsto o reforço do número de camas em cuidados intensivos e aumento correspondente de meios humanos”, disse o candidato comunista.

Perante a ideia de requisição civil, Marcelo Rebelo de Sousa apareceu, mais uma vez, como contrapeso. O atual Presidente da República disse que a ideia que os privados têm capacidade para dar resposta aos doentes com Covid-19 é errada e que até agora “não foi necessária”. Aliás, “a capacidade dos privados está neste momento perto do limite”, disse.

Todos contra Marcelo, o ausente Ventura  e os erros da pandemia. O essencial do último debate
Todos contra Marcelo, o ausente Ventura e os erros da pandemia. O essencial do último debate

Mayan critica “abordagem errática” do Governo

Tiago Mayan, o candidato apoiado pela Iniciativa Liberal, assumiu que o SNS chegou nos últimos dias a um “ponto de aparente rutura”, mas que “não foi por falta de estado de emergência”.

“Estamos já há dois meses e meio em estado de emergência, isto não é novo. E chegámos a este ponto de aparente rutura, em que parece que iremos enfrentar o que já vimos em Itália e Espanha e março, mas estamos em janeiro, dez meses depois. Chegámos a este ponto, não foi por falta de estado de emergência certamente”, atirou.

O candidato liberal acusou o Governo de uma “abordagem totalmente errática” na concretização das medidas de confinamento. Ora, para Mayan deve a longa lista de exceções contempladas pelo Executivo de António Costa no diploma do último estado de emergência dever ser melhor “definido” e transmitido claramente.

“Foi o Governo que determinou determinadas medidas de confinamento com um conjunto de exceções. Não me cabe a mim definir [se são muitas ou poucas]. O Governo é que tem de definir quais são, informar os cidadãos claramente e assumir as responsabilidades”, disse.

Campanha em tempos de pandemia? Tino diz que “não”

Para Vitorino Silva, os políticos “devem descer à terra” se pedem ao povo para estar em casa, eles devem dar o mesmo exemplo. Segundo o candidato presidencial, neste momento, nenhum candidato devia andar em campanha.

“Só estou aqui hoje em respeito pelos meus adversários e pelos jornalistas, mas depois daqui vou para casa”, afirmou.

O candidato André Ventura não participou do debate, invocando razões de agenda.

A organização do debate entendeu que “a participação à distância só seria aceite em caso de algum dos candidatos estar em situação de isolamento profilático ou de doença”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Avelino Freitas
    18 jan, 2021 brito guimares 11:42
    gostei dos comentarios ,mas com andre ventura a musica era outra.

Destaques V+