Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Quase 40% das empresas consideram medidas insuficientes, segundo a CIP

18 jan, 2021 - 17:32 • Lusa

Uma grande maioria das empresas considera que as ajudas do Governo ao setor está aquém ou muito aquém do que necessitam.

A+ / A-

Veja também:


Perto de 40% das empresas consideram insuficientes as novas medidas para travar a pandemia de Covid-19, enquanto 30% defendem que estas são adequadas, divulgou esta segunda-feira a Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

De acordo com o novo inquérito desenvolvido pela CIP com o Marketing FutureCast Lab do ISCTE, 21% dos inquiridos referiram que as medidas são demasiado restritivas e 12% não têm opinião formada sobre este tema.

Por sua vez, 83% das empresas considerou, na semana de 11 de janeiro, que os programas de apoio do Estado estão “aquém ou muito aquém” do que necessitam, enquanto 16% defendem que “estão à altura das dificuldades” e 1% que “superam as expectativas”, percentagens em linha com as verificadas no último inquérito.

“A avaliação que as empresas fazem dos apoios do Estado mantém-se muito negativa, com quatro em cada cinco empresários a considerarem que estão aquém ou muito aquém do que seria necessário”, destacou o vice-presidente da CIP, durante a apresentação dos resultados do inquérito.

No entanto, Rafael Campos Pereira afirmou que esta realidade parece evidente até para o Governo, uma vez, “à medida que o tempo vai passando”, acolhe as propostas da CIP.

“A crise só não é incomensuravelmente maior porque as empresas estão a fazer um grande esforço para cumprir as suas obrigações”, concluiu.

Já o número de empresas que pediu financiamento bancário manteve-se, no período de referência, em 46%, sendo que o número das que receberam este financiamento desceu de 11% para 9%.

Na semana de 11 de janeiro, o número de empresas que responderam a este inquérito e que se encontravam em pleno funcionamento baixou de 87% para 85%, as fechadas mantiveram-se nos 2% e as parcialmente encerradas subiram de 11% para 13%.

O número de empresas que aumentaram os prazos de pagamento aos fornecedores progrediu de 18% para 22% em dezembro do ano anterior.

Em dezembro, verificou-se uma queda de vendas e prestação de serviços em todos os tipos de empresa, destacando-se as micro empresas, com 63% a afirmarem que estas diminuíram.

No que concerne às encomendas em carteira, 40% revelaram que diminuíram, 26% mantiveram e 8% aumentaram.

“Face a 01 de dezembro, o valor da diminuição aumentou de 37% para 40%”, revelou.

As expectativas de vendas das empresas para o primeiro trimestre de 2021 é negativa, em comparação com o período homólogo, com 51% a esperarem uma diminuição.

“Esta perspetiva negativa é sobretudo verificada nas micro empresas com 60% a esperar um comportamento negativo das suas vendas. Nas grandes empresas a expectativa de crescimento é verificada em 24% das empresas, mas há um claro decréscimo face ao mês anterior”, adiantou.

O número de empresas que espera diminuir o número de trabalhadores fixou-se em 18%, enquanto 8% pretendem aumentar nos primeiros três meses de 2021.

Por tipologia, nas médias empresas existe uma expectativa de manutenção do número de postos de trabalho e nas grandes, pequenas e micro empresas uma perspetiva de redução.

Para a realização desta análise foi considerada uma amostra de 735 empresas, num universo de 150 mil, com um erro amostral máximo de cerca de 3,7% para um intervalo de confiança de 95%.

Por setor, a indústria e a energia tiveram o maior peso (38%), embora inferior ao mês anterior (50%).

A amostra é constituída em 77% por micro e pequenas empresas, acima dos 71% registados no mês anterior.

As empresas de média dimensão representam 18% da amostra e as grandes empresas 5%.

Na sexta-feira, as empresas de restauração, bares e cafés voltaram a fechar as portas, funcionando apenas com ‘take-away’ e entregas ao domicílio.

O dever de recolhimento entrou, novamente, em vigor e o teletrabalho passou a obrigatório, com coimas agravadas.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.031.048 mortos resultantes de mais de 94,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.028 pessoas dos 556.503 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+