Tempo
|
A+ / A-

Presidenciais. As peripécias de uma cidadã em cadeira de rodas para votar este domingo

17 jan, 2021 - 22:00 • Sandra Afonso com redação

Diana Santos andou à procura da mesa de voto uma hora e só à terceira foi redirecionada para a mesa de voto certa na Reitoria da Universidade de Lisboa. Quando lá chegou, "tinha três ou quatro escadas para descer". Acabou a votar na rua, ao frio, à vista de todos.

A+ / A-
Voto antecipado em Lisboa. Aumento das filas ao longo do dia é “bom sinal”
Voto antecipado em Lisboa. Aumento das filas ao longo do dia é “bom sinal”

Chama-se Diana Santos e está numa cadeira de rodas elétrica. É do Barreiro, mas vive em Lisboa e por isso pediu para votar antecipadamente nas presidenciais, este domingo.

Foi informada que tinha de dirigir-se à Reitoria da Universidade de Lisboa, onde ao longo do dia alguns eleitores tiveram de esperar mais de duas horas para votar.

Diana andou à procura da mesa de voto durante mais de uma hora e foi redirecionada três vezes até ser encaminhada para o sítio certo. Mas quando lá chegou percebeu que era, talvez, o local menos acessível para portadores de deficiência, em particular para quem está numa cadeira de rodas.

Apesar das várias tentativas para chegar à urna e exercer o seu direito de voto, acabou por preencher o boletim na rua, rodeada de pessoas, sem qualquer privacidade e ao frio.

"Quando cheguei à sala de voto, pareceu-me que seria das únicas para quem não seria acessível, tinha três ou quatro escadas para descer. Sugeriram ir a outra mesa de voto, o que não é constitucional. A solução do costume: alguém vem cá fora e traz o voto", relata à Renascença.

"Estavam imensas pessoas ali, só não olhou quem não quis, eu quase sem capacidade de segurar os documentos todos e já enervada, porque foi uma sucessão de acontecimentos e eu cada vez mais constrangida e gelada. Foi difícil, uma carga de nervos."

Apesar desta experiência profundamente negativa, Diana diz que voltaria sempre a votar. Só lamenta que o Estado não lhe retribua o investimento.

"O que espero é que no [próximo] domingo as pessoas possam votar como é o seu direito, num espaço confidencial, protegido e respeitoso. Votaria outra vez, não desisto de exercer a minha cidadania, só gostava que o Estado fizesse por mim o que eu faço por ele."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+