Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Passaporte europeu de vacinação contra a Covid-19? França diz-se "reticente"

17 jan, 2021 - 16:06 • Lusa

Questão não devia ser tratada no Conselho Europeu da próxima semana, defende secretário de Estado francês para os Assuntos Europeus.

A+ / A-

Veja também:


França está “reticente” quanto à criação de um passaporte comunitário de vacinação contra a Covid-19 e considera que esta questão não deve ser tratada no Conselho Europeu da próxima semana, admitiu o secretário de Estado dos Assuntos Europeus.

“Nós temos muitas reticências”, afirmou hoje Clément Beaune em declarações à radio France Info, reproduzidas pela agência de notícias francesa AFP, nas quais o governante reconheceu que “é muito prematuro” ainda “falar de um papel, um documento, que autorize a viajar na Europa”.

A mesma fonte considerou que este “é um debate que não tem razão de ser” e que “seria chocante, quando se inicia em todo o lado esta campanha de vacinação na Europa, que houvesse pessoas com mais direitos que outras”.

“Essa não é a nossa conceção da proteção e do acesso às vacinas”, justificou o governante gaulês.

Clément Beaune reagiu assim à ideia avançada pelo primeiro-ministro da Grécia para que a União Europeia adote um certificado “estandardizado” de vacinação para dar um impulso à indústria turística, uma das atividades económicas mais afetadas pela pandemia de Covid-19.

A ideia de criação de um documento de vacinação conta com a posição favorável da Comissão Europeia, de acordo com a sua presidente, Úrsula von der Leyen, que disse tratar-se de um “imperativo médico”.

Esta visão não é partilhada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que disse ser “de momento” contra a iniciativa à escala planetária.

Como funcionam as vacinas e como nos protegem do novo coronavírus?
Como funcionam as vacinas e como nos protegem do novo coronavírus?

"Esta é uma ideia (…) sobre a qual a França considera que não se deve abrir debate agora. Quando o acesso à vacinação esteja generalizado, já será outra questão”, argumentou ainda o secretário de Estado francês dos Assuntos Europeus.

Por outro lado, o ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros de França, Jean-Yves Le Drian, abordou a situação dos trabalhadores fronteiriços, que quantificou em 350.000 franceses, e defendeu um “reforço no seio do espaço europeu das medidas de controlo”, mas sem haver um encerramento das fronteiras no espaço Schengen.

“Vamos verificar também o tipo de testes que podem ser exigidos”, acrescentou, avançando a possibilidade de criar “uma lista de testes de antígenos que sejam reconhecidos em toda a Europa”, uma situação que “ainda não acontece”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+