Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Presidenciais e pandemia, o mix -  Conversas Cruzadas
Presidenciais e pandemia, o mix -  Conversas Cruzadas

Conversas Cruzadas

Presidenciais e pandemia, o mix

17 jan, 2021 • José Bastos


Nuno Garoupa, Nuno Botelho e João Cerejeira na análise da "tempestade perfeita" para a abstenção. .

A semana é marcada pela entrada do país num novo período de confinamento, com o Governo a anunciar medidas mais restritivas num esforço para conter a propagação da Covid-19.

Há cinco dias consecutivos que os números de novos casos e de mortos estão a superar os patamares dos 10.000 casos e 150 óbitos colocando enorme pressão nos recursos hospitalares do SNS.

As medidas do novo confinamento, com os portugueses sujeitos ao dever de recolhimento domiciliário, mas mantendo as escolas com o ensino presencial, estão em vigor até ao final de janeiro, mas o governo já indicou que as restrições têm o horizonte de um mês.

Tendo a pandemia como pano de fundo, já este domingo mais de 200 mil portugueses podem votar nas Presidenciais 2021 depois de terem solicitado o voto antecipado, mas as eleições de hoje a uma semana não deveriam ter lugar na maior normalidade democrática possível?

Afinal, a eleição do presidente da República registou taxas de abstenção acima dos 50% nas duas últimas votações e a de 2021 parece estar na intersecção de vários riscos.

Ao fator “reeleição com vitória antecipada”, junta-se a ampliação do universo dos cadernos eleitorais na emigração e a total ausência de inovação no sistema: não há voto por correspondência - até defendido pelo presidente incumbente – muito menos, ainda que de forma limitada, o voto eletrónico.

Porque não se debateu e criou um mecanismo de flexibilidade em relação à data? É uma das perguntas para análise de Nuno Garoupa docente da GMU Scalia Law, Virginia, Nuno Botelho, presidente da ACP -Câmara de Comércio e Indústria do Porto e João Cerejeira professor de economia na Universidade do Minho que olham também os Estados Unidos com Biden, formalmente presidente, na próxima quarta-feira, dias depois dos incidentes do Capitólio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JORGE MANUEL NEVES PIMENTEL PIMENTEL
    17 jan, 2021 COIMBRA 19:14
    Não podia deixar de mostrar a minha admiração /indignação no processo instituído para estas eleições presidenciais....Está á vista um aumento da abstenção, mas pior que a abstenção, temos, e isto sim, um aumento da propagação da Covid-19 e um disparar de mortes . E não digo mais NADA