Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Costa anuncia testes rápidos para decidir sobre eventuais encerramentos de escolas

14 jan, 2021 - 21:13 • Redação

Primeiro-ministro defendeu ainda a opção de manter os estabelecimentos de ensino abertos, considerando que não seria possível "destruir uma geração e afetar dois anos letivos".

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro António Costa admite usar testes rápidos para determinar eventuais encerramentos de escolas. O anúncio foi feito na entrevista que Costa deu esta quinta-feira à noite à TVI.

Costa referiu que o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação estão a definir critérios de prioridade para a utilização de testes antigéneo de forma a poder fazer "isolamentos precoces" e "tentar quebrar cadeias de transmissão".

Costa defendeu ainda a opção de manter os estabelecimentos de ensino abertos, considerando que não seria possível "destruir uma geração e afetar dois anos letivos".

Nesta entrevista, Costa considerou que se fez tudo o que estava ao alcance para evitar agora um novo confinamento geral, admitindo que as medidas menos restritivas no período de Natal motivaram também comportamentos menos restritivos.

"Acho que fizemos tudo o que estava ao nosso alcance, coletivamente o país, para evitarmos esta situação", declarou o líder do executivo, numa alusão ao crescimento de casos diários de novas infeções com o novo coronavírus e de óbitos por Covid-19 em Portugal, sobretudo na presente semana.

António Costa defendeu que o país foi resistindo "à segunda onda" da Covid-19 e admitiu que as medidas menos restritivas aplicadas no período de Natal estão entre os fatores que causaram a expansão da epidemia.

"O facto de termos medidas mais restritivas no Natal levou também as pessoas a terem comportamentos menos restritivos", disse.

Nesta entrevista, António Costa referiu que os serviços de saúde já estiveram "várias vezes à beira da rutura", mas que os problemas foram sempre ultrapassados e garantiu que "não há bloqueios ideológicos nem má-vontade" no recurso a serviços privados de saúde.

O Chefe do Governo referiu, por exemplo, que o grupo CUF "disponibilizou 20 camas de imediato na zona de Lisboa" e mais 40 nas próximas semanas para ajudar o Serviço Nacional de Saúde e que no Norte e no Centro "os acordos têm funcionado muito bem".

O primeir-ministro adiantou também que existem "condições para ativar de novo, aqui em Lisboa, o hospital de campanha que funcionou no Estádio Universitário" e também que estão a trabalhar com a Federação Portuguesa de Futebol "que dispõe de 88 camas, condições de alimentação e algum apoio de assistência de enfermaria".

Costa terminou com um apelo dirigido a todos os portugueses: "Fiquem em casa".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    15 jan, 2021 Madeira 13:40
    Não quero ser péssimista, mas os testes rápidos não sei se são muito fiáveis. O Presidente Marcelo fez um teste rápido acusou negativo e fez um pcr depois e acusou positivo. Ouvi dizer e se fôr mentira, ficaria descansado. Cuidem-se.
  • Ditados
    15 jan, 2021 por cá 09:29
    Salvo erro, é a terceira vez que o Costa promete isto. O que será que se vai verificar, "às três, é de vez" ou "não há 2, sem 3"?

Destaques V+