Tempo
|
A+ / A-

Rúben Amorim despede-se dos afetados pelos despedimentos no Sporting

14 jan, 2021 - 19:23 • Redação

Sporting iniciou processo de despedimento de cerca de 20 funcionários, devido à crise financeira provocada pela pandemia da Covid-19.

A+ / A-

O treinador do Sporting, Rúben Amorim, deixou, esta quinta-feira, um abraço a todos os afetados pelos despedimentos do clube.

"É uma coisa que não digo que me passe completamente ao lado, mas que me ultrapassa. Queria só deixar um abraço a toda a gente", declarou Rúben Amorim, em conferência de imprensa.

O Sporting iniciou um processo de despedimento de vários funcionários, arrancando com uma reestruturação que já tinha sido internamente anunciada. Nesta primeira fase, a SAD deve dispensar cerca de 20 funcionários, de diferentes áreas. Ao que a Renascença apurou, o Sporting está a negociar as rescisões de contrato individualmente, com cada um dos funcionários, entretanto, notificados da decisão.

Um dos afetados foi Paulo Cintrão, que era assessor de imprensa da equipa de futebol e presença assídua nas conferências com Rúben Amorim, que lhe dedicou uma mensagem especial:

"Esteve aqui comigo ao lado e agradeço-lhe toda a ajuda me deu. Mando-lhe um abraço, já o fiz por mensagem. A vida e o futebol são mesmo assim. Na minha vida já estou habituado, faz parte da vida dos jogadores estarem habituados a este entra e sai dos clubes."

A situação financeira da SAD do Sporting, agravada pelos efeitos da pandemia de Covid-19, levou a administração a considerar um plano de redução de custos com pessoal. Em abril, durante o primeiro período de confinamento, o Sporting recorreu ao "lay-off" simplificado, que prolongou até junho.

Nessa altura, o Sporting comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários que 95% dos funcionários da sociedade foram colocados em regime de "lay-off".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    14 jan, 2021 PORTUGAL 22:57
    " É UMA COISA QUE ME ULTRAPASSA". Despedimento de SERES HUMANOS por irresponsabilidade de um SER VIVO. Ou seja. Há mais ou menos UM ANO o Senhor Presidente do SCP foi a Braga e levou para Alvalade este Outro Senhor por DEZ MILHÕES de EUROS. Já na altura não tinha dinheiro para pagar fosse o que fosse. Andou todo ARROGANTE a driblar o adversário até onde lhe CONVINHA. Agora chega a uma situação destas. DESPEDE um número de Pessoas que TODAS JUNTAS, se calhar, não somavam em ANOS aquilo que gastou com UM. Está aqui um exemplo em que fica demonstrado como isto de DEMOCRACIA é uma BALELA. Se temos um TRIBUNAL CONSTITUCIONAL onde se recorre para sabermos se as MEDIDAS são ou não constitucionais, como pode este processo passar sem que NINGUÉM se pronuncie sobre este assunto. Será que esta ATITUDE da SAD do SCP é legítima? Moralmente NÃO. Não invoque o RAIO da pandemia pois quando foi a BRAGA em Março já se adivinhava o que iria acontecer. Talvez se tivesse ido a " BAIXO " outro lado teria feito melhor. Mas o mais engraçado é que em CERTOS LOCAIS onde este assunto deveria ser debatido não se perde tempo algum. Claro que as empresas quando entram em dificuldades é este o caminho que tomam, mas será isto ACEITÁVEL? Dar MILHÕES por um Indivíduo e DESCARTAR VÁRIOS tem um nome, IRRESPONSABILIDADE. Agora o CAMUFLADO não sairá do CACIFO?