Tempo
|
A+ / A-

Paquistão

Duas irmãs cristãs violadas e assassinadas por não se converterem ao Islão

14 jan, 2021 - 11:22 • Filipe d'Avillez

Sajida e Abida tinham 28 e 26 anos. Foram vistas pela última vez a 26 de novembro e os seus corpos foram encontrados a 7 de dezembro num esgoto.

A+ / A-

Duas irmãs cristãs foram raptadas, violadas e assassinadas no Paquistão por se recusarem a converter-se ao Islão, informa a fundação Ajuda à Igreja que Sofre, num artigo publicado esta quinta-feira.

Segundo a AIS Sajida e Abida, respetivamente com 28 e 26 anos, foram vistas pela última vez a 26 de novembro quando saíram para ir trabalhar numa fábrica de produtos farmacêuticos em Lahore. Nessa noite não regressaram a casa e os seus corpos acabaram por ser encontrados no dia 7 de dezembro num esgoto.

A polícia acabou por deter o proprietário da Fábrica, Mohammad Naeem, que confessou o crime. Segundo a agência AsiaNews, do Pontifício Instituto para as Missões Estrangeiras, do Vaticano, tanto Naeem como o seu supervisor na fábrica, Mohammad Imtiaz, teriam estado a pressionar as jovens para casar com eles, o que implicaria a sua conversão ao islão, mas elas sempre recusaram. Esse terá sido o motivo para o crime.

Mohammad Naeem foi libertado sob fiança e Imtiaz está em parte incerta, informa ainda a AsiaNews, que conclui que as mulheres “foram raptadas, violadas e brutalmente assassinadas por se recusaram a converter ao Islão e a casar com os seus sequestradores”.

Sajida deixa órfãos três filhos. Mushtaq Masih, viúvo da cristã assassinada pede a prisão dos dois responsáveis pelo crime e afirma que este caso só foi possível porque são pobres e pertencentes a uma minoria religiosa.

Em declarações à AIS, Joel Amir Sohatra, ativista pelos direitos dos cristãos, diz que o assassinato destas duas mulheres é um sinal de “insegurança para todas as jovens pertencentes aos grupos minoritários, especialmente da comunidade cristã”.

Sohatra lembra que o crime ocorreu em Lahore, a segunda maior cidade paquistanesa e capital da província do Punjab. “Alguém consegue imaginar até onde pode chegar a perseguição baseada no ódio em zonas rurais ou com menos população?”

A esperança de que seja feita justiça é escassa. “infelizmente, a família irá tentar durante anos que seja feita justiça mas nada acontecerá. Os cristãos vivem em estado de insegurança, sem direitos iguais”, diz, e pergunta, “onde está o mandato do Estado para proteger as minorias no Paquistão?”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.