Tempo
|
A+ / A-

Lisa Montgomery

Estados Unidos executam única mulher no corredor da morte

13 jan, 2021 - 08:01 • Sofia Freitas Moreira com agências

Foi a primeira mulher a ser executada pelo governo federal dos EUA em 68 anos.

A+ / A-

Lisa Montgomery, a única mulher que se encontrava no corredor da morte, nos Estados Unidos, foi executada esta quarta-feira. É o ponto final num caso que se arrastou ao longo de 17 anos.

A condenada recebeu uma injeção letal, numa prisão em Terre Haute, no estado do Indiana, tendo sido declarada morta durante esta madrugada, avança a CNN.

Foi a primeira mulher a ser executada pelo governo federal dos EUA desde 1953.

Lisa foi condenada à morte em 2008, pelo homicídio por estrangulamento de uma mulher grávida, em 2004, a quem retirou o bebé do ventre. A criança, que foi raptada pela mulher, sobreviveu.

O Supremo Tribunal rejeitou, na terça-feira, um último pedido da equipa de advogados de Montgomery para lhe concederem uma audiência, de forma a provar doença mental grave. A ser aprovado, teria sido suficiente para não ter sido executada.

A mulher de 52 anos foi a 11ª reclusa a ser executada pela administração de Donald Trump.

“O governo não travou por nada a morte desta mulher ferida e delirante”, defendeu a sua advogada, Kelley Henry, em comunicado. “A execução de Lisa Montgomery está longe de ter sido justa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Executem-na!
    13 jan, 2021 Cá 14:20
    E a criança que ela raptou depois de assassinar a Mae, isso foi uma "morte justa"?