Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Subir a montanha sem pico à vista - Conversas Cruzadas
Subir a montanha sem pico à vista - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

Subir a montanha sem pico à vista

10 jan, 2021 • José Bastos


Nuno Botelho, Carvalho da Silva e José Pedro Teixeira Fernandes na análise do novo confinamento.

Quando a 23 de agosto, Bayern de Munique e PSG se enfrentaram em Lisboa, na final da Champions, o registo de novas infeções da Covid19 era 18 vezes menor do que o registo do Natal, exemplo de como a noção de risco associado ao contágio se alterou em poucos meses.

Dezembro foi o mês com mais mortes associadas à pandemia e, depois do pico de novembro, a tendência nos primeiros dias de janeiro voltou a ser de subida. Em quatro dias de 4 a 8 de janeiro foram registados mais casos que nos meses de maio, julho e agosto, mês da final Champions, juntos. Pior: o número de doentes internados com Covid19 atingiu novo máximo exercendo enorme pressão na resposta hospitalar.

O país entrará em confinamento nos próximos dias – todos os sinais apontam nesse sentido – e a fórmula será definida depois da reunião de terça-feira, 12, com peritos do Infarmed para “clarificar a real situação”. No ‘regresso a março’, esta segunda versão do confinamento terá, pelo menos, uma grande diferença face à primeira: as escolas a funcionar.

A análise ao novo confinamento é de Nuno Botelho, jurista e presidente da ACP-Câmara de Comércio e Indústria do Porto, Manuel Carvalho da Silva, sociólogo, professor da Universidade de Coimbra e José Pedro Teixeira Fernandes, professor do ensino superior e especialista em geopolítica a olharem também para as Presidenciais 2021 e para a invasão do Capitólio, nos últimos dias de Trump na Casa Branca.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.