Tempo
|
A+ / A-

Comissão Europeia

Bruxelas garante mais 300 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech

08 jan, 2021 - 09:48 • Redação com Lusa

Ursula Von der Leyen avança que 75 milhões destas doses adicionais estarão disponíveis "já a partir do segundo trimestre".

A+ / A-

Veja também:


Numa conferência de imprensa em Bruxelas, Von der Leyen explicou que a Comissão Europeia negociou a extensão do contrato com a Pfizer e BioNTech, à qual já adquirira 300 milhões de doses da vacina, permitindo assim duplicar esse número.

Com o novo acordo poderemos comprar um total de até 300 milhões de doses adicionais da vacina da BioNTech/Pfizer. Por outras palavras, isto permitirá duplicar o montante das doses da BioNTech/Pfizer", indicou a presidente do executivo europeu.

Salientou ainda que 75 milhões destas doses adicionais estarão disponíveis "já a partir do segundo trimestre", sendo as restantes entregues no terceiro e no quarto trimestres.

Com as vacinas da Pfizer e BioNTech já garantidas, associadas às 150 milhões de doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica Moderna - a segunda a ser aprovada pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) e pela Comissão para utilização na UE -, Bruxelas já garantiu assim "um número de doses que permite vacinar 380 milhões de europeus, mais de 80% da população europeia", sublinhou Von der Leyen.

"Temos muitos projetos para o ano de 2021 e isso é particularmente verdadeiro para a reconstrução económica. Mas tudo isso pressupõe que vamos conseguir vencer a pandemia. Para tal, devemos vacinar o maior número de europeus e europeias o mais rapidamente possível. E por isso é que estou feliz com este desenvolvimento muito positivo hoje", afirmou.

Von der Leyen reiterou que "outras vacinas se seguirão nas próximas semanas e meses".

"Esta carteira de vacinas permitiria à UE não só cobrir as necessidades de toda a sua população, mas também fornecer vacinas aos países vizinhos", avança a Comissão Europeia em comunicado oficial.

A presidente da Comissão Europeia mostra-se muito satisfeita com este acordo, mas esclarece que os estados-membro não estão autorizados a negociar individualmente com as farmacêuticas.

Como funcionam as vacinas e como nos protegem do novo coronavírus?
Como funcionam as vacinas e como nos protegem do novo coronavírus?

As próximas vacinas da Pfizer que chegarem a Portugal vão dar para mais doses

A farmacêutica garante que cada frasco dá para seis e não para cinco doses, como tem acontecido até agora, mas a aplicação da medida depende de uma norma da DGS que deve ser publicada em breve, de acordo com fonte da DGS, logo que a Autoridade Europeia do Medicamento dê indicação nesse sentido.

Ao que a Renascença apurou no Centro Hospitalar Lisboa Norte - que inclui o Santa Maria - as próximas doses, que já saem preparadas da farmácia hospitalar, já respeitam esta indicação e cada frasco vai dar para seis doses.

Até agora, e de acordo com o jornal Expresso, as doses que foram desperdiçadas dariam para vacinar mais seis mil portugueses.

Na terça-feira, o executivo comunitário autorizou a comercialização da vacina da Moderna para a Covid-19 na UE, após o aval do regulador europeu àquele que é o segundo fármaco contra o novo coronavírus permitido no espaço comunitário.

A vacina da Moderna, com uma eficácia comprovada superior a 90%, foi a segunda a ter aval da EMA, após a aprovação, a 21 de dezembro de 2020, do fármaco desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, que está a ser utilizado no espaço europeu desde 27 de dezembro.

Tal como a vacina da Pfizer e BioNTech, a da Moderna é administrada por duas injeções no braço separadas no tempo, tendo neste caso 28 dias de intervalo.

Segundo o executivo comunitário, a Moderna vai disponibilizar à UE o montante total de 160 milhões de doses da vacina entre o primeiro e o terceiro trimestres de 2021, como anteriormente acordado entre Bruxelas e a farmacêutica.

A Comissão Europeia já tem uma carteira com seis outras potenciais vacinas, que além destas duas incluem as desenvolvidas pela AstraZeneca, Sanofi-GSK, Johnson & Johnson e CureVac.

Até ao momento, apenas a Moderna e a Pfizer e BioNTech pediram autorização à EMA.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.884.187 mortos resultantes de mais de 87,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 7.472 pessoas dos 456.533 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 jan, 2021 Lisboa 11:03
    2 problemas a ter em atenção: a possibilidade de contrabando dessas doses para Países que paguem mais, como foi o caso de certos medicamentos esgotados cá, mas que eram exportados para países dispostos a pagar mais por eles, e essa maior diluição das doses: só espero que seja mesmo possivel e não que para pouparem algumas "lecas", estejam a injectar as pessoas com água destilada ou soro fisiológico.

Destaques V+