Tempo
|
A+ / A-

Caso José Guerra

Campanha contra Portugal? ​Poiares Maduro critica declaração “antidemocrática” de António Costa

07 jan, 2021 - 16:40 • Pedro Mesquita , com redação

Primeiro-ministro acusa Miguel Poiares Maduro, Paulo Rangel e Ricardo Batista Leite de estarem numa campanha contra Portugal.

A+ / A-
Poiares Maduro critica declarações "antidemocráticas" de António Costa
Poiares Maduro critica declarações "antidemocráticas" de António Costa

Miguel Poiares Maduro responde na Renascença ao primeiro-ministro, António Costa, que o acusou de levar a cabo uma campanha internacional contra Portugal no caso do procurador europeu José Guerra.

O antigo ministro social-democrata lamenta as palavras de António Costa, que apelida de profundamente antidemocráticas.

“Lamento imenso, porque se trata de um primeiro-ministro do meu país. Confundir uma crítica ao governo, que eu fiz no caso da procuradoria europeia, com uma crítica ao país e com uma campanha contra o país é algo que é profundamente antidemocrático. Deixa-me triste que o primeiro-ministro possa fazer uma declaração desse tipo”, afirma Miguel Poiares Maduro, em declarações à Renascença.

O social-democrata mantém todas as críticas que já fez sobre a nomeação do procurador José Guerra e desmente António Costa, quando assegura que Portugal tinha total liberdade para escolher o seu membro na Procuradoria Europeia.

“Eu acho que o que se passou é claramente criticável. Infelizmente, o primeiro-ministro veio reiterar alguns aspetos que são totalmente incorretos, incluindo quando disse que Portugal tinha total liberdade para designar o membro na Procuradoria Europeia.”


Miguel Poiares Maduro diz essa liberdade é “simplesmente falsa, a escola era do conselho baseada numa seleção e numa avaliação do comité independente internacional”.

“Foi a perversão desse processo que eu e outros colegas meus na Europa criticamos”, sublinha o antigo ministro.

Paulo Rangel, outro dos visados pelo primeiro-ministro, reagiu em comunicado para dizer que o “tom ameaçador” do primeiro-ministro sobre o caso do procurador europeu José Guerra “não apaga falsidades”.

O primeiro-ministro acusou esta quinta-feira os sociais-democratas Paulo Rangel, Miguel Poiares Maduro e Ricardo Batista Leite de estarem envolvidos numa campanha para denegrir a imagem externa do país durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

António Costa fez esta acusação em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, depois de questionado sobre a polémica em torno da escolha do procurador europeu José Guerra e sobre a situação da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, neste processo.

De acordo com o primeiro-ministro, o eurodeputado do PSD Paulo Rangel, o antigo ministro Miguel Poiares Maduro e, "numa outra frente, essa sanitária", o deputado social-democrata Ricardo Batista Leite "lideram uma campanha internacional contra Portugal".

António Costa voltou a defender a ministra da Justiça e salientou que Francisca Van Dunem "agiu corretamente" em todo o processo.

[notícia atualizada às 17h15]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    07 jan, 2021 Viseu 19:18
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões»: Agostinho de Hipona (354-430).

Destaques V+