Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: Costa admite voltar a fechar o país, mas manter escolas em funcionamento

07 jan, 2021 - 14:37 • Ricardo Vieira , Cristina Nascimento

Primeiro-ministro anunciou novas restrições já para o fim de semana de 9 e 10 de janeiro. António Costa justificou o eventual endurecimento de medidas por considerar que não pode ser posto "em risco o enorme esforço que foi feito até agora".

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro admitiu esta quinta-feira que na próxima semana o Governo poderá tomar medidas mais restritivas para fazer face ao aumento de contágios e adiantou que vai já proceder à audição dos partidos e dos parceiros sociais.

"O cenário que podemos ter como provável é voltar a um conjunto de medidas tipo as que adotamos em março, com a ressalva de todos os especialistas nos indicarem que não se justifica afetar o normal funcionamento das escolas”, disse António Costa.

O líder do executivo referiu que os números referentes novos contágios verificados na quarta-feira e hoje rondam os dez mil, "o que indicia um agravamento da situação epidemiológica" no país. A manter-se esta tendência, esclareceu o Chefe do Governo, terão de ser adotadas medidas mais duras, à semelhança do que "tem vindo a acontecer na generalidade dos países da Europa", acrescentou Costa.

Portugal registou quase 10 mil casos e 95 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, avança a Direção-Geral da Saúde (DGS). Esta quinta-feira é o segundo dia com mais mortes e casos desde o início da pandemia.

António Costa justificou o eventual endurecimento de medidas por considerar que não pode ser posto "em risco o enorme esforço que foi feito até agora".

O primeiro-ministro anunciou anunciou que no próximo fim de semana, de 9 e 10 de janeiro, estão proibidas as deslocações entre concelhos e será imposto um recolher obrigatório, a partir das 13h00, em todos os municípios com mais de 240 novos casos de Covid-19 por 100 mil habitantes.

António Costa referiu que a medida de recolher obrigatório só não se aplica a 25 concelhos, com menos casos de Covid-19 (Consulte aqui a lista).

O chefe do Governo admite que podem ser tomadas novas restrições na próxima semana, depois da reunião com os peritos marcada para dia 12, na sede do Infarmed.

Sobre a realização da campanha eleitoral para as eleições presidenciais, agendadas para 24 de janeiro, neste cenário de restrições, Costa recordou que “a lei do estado de emergência, que vigore desde 1986, não permite qualquer tipo de restrição à atividade política”. Como tal, não haverá nenhuma interdição às campanhas eleitorais, embora sejam expectáveis ajustes face ao atual cenário.

Evolução da Covid-19 em Portugal

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    08 jan, 2021 Lisboa 00:42
    Fechar as escolas, onde os aquecedores não funcionam e nem há condições para aprender, é um sacrilégio! O que importa é que os papás possam manter os lucros do grande capital em vez de ficarem em casa a cuidar dos filhos! E depois quando há 10000 infectados por dia dizem que é do Natal onde a maioria das pessoas ficaram por casa... Não fosse a gestão da pandemia igualmente desastrosa em toda a Europa e este governo já tinha tido que se demitir há muito! Mas a verdade é que o PSD faria tão mal ou pior...
  • Cidadao
    07 jan, 2021 Lisboa 20:08
    "...com a ressalva de todos os especialistas nos indicarem que não se justifica afetar o normal funcionamento das escolas"... Esses "especialistas" não se chamarão António Costa? Ou de repente, esses "especialistas" descobriram que o vírus é activo em todo o lado menos nas Escolas? Só pode ser, pois ninguém acreditaria que esses "especialistas" pusessem a Economia à frente da Saúde, só porque se os alunos ficassem em casa, os pais tinham de ficar também. Mas obviamente isso não tem nada a ver (risos), quem está errado são os "especialistas" dos outros países... Os velhadas, perdão, os professores de cá, tal como os auxiliares, são à prova de Covid. Os 9000 casos de contágio só no 1º período, são uma invenção da Comunicação Social sensasionalista... Um artista, este Costa ...
  • ex-professor
    07 jan, 2021 Lisboa 15:27
    Nos outros Países também fecham as escolas. Até parece que não há contágios ou o vírus não entra nas escolas. Claro, estamos a falar da Educação, a tradicional pasta maldita para o PS. Os professores, auxiliares e outros são apenas carne para canhão, dispensáveis e descartáveis para o PS, que acha que alguns elogios hipócritas bastam para resolver todos os problemas.

Destaques V+