Tempo
|
A+ / A-

Congresso confirma Biden como Presidente dos EUA

07 jan, 2021 - 08:44 • Redação com agências

Donald Trump promete uma "transição pacífica" e reconhece publicamente que deixará o cargo a 20 de janeiro.

A+ / A-
Estados Unidos. Congresso confirma vitória de Biden nas eleições presidenciais
Estados Unidos. Congresso confirma vitória de Biden nas eleições presidenciais

Ponto final na longa corrida eleitoral. O Congresso norte-americano certificou, esta quinta-feira, os votos do Colégio Eleitoral e confirmou a vitória Joe Biden e de Kamala Harris nas presidenciais de 3 de Novembro.

O democrata Joe Biden contabilizou 306 votos (quando eram necessários 270 para a vitória), enquanto o republicano Donald Trump ficou apenas pelos 232.

Isto acontece após o Senado ter rejeitado as objeções dos republicanos para inviabilizar os votos eleitorais dos estados da Geórgia, Pensilvânia, Arizona, Nevada e Michigan

A cerimónia de tomada de posse de Biden enquanto o 46.º Presidente dos Estados Unidos vai ser realizada em 20 de janeiro.

Caos, violência e mortes. A invasão ao Capitólio em cinco minutos
Caos, violência e mortes. A invasão ao Capitólio em cinco minutos

Trump promete transição pacífica

O Presidente cessante considera que a decisão do Congresso “representa o fim do melhor primeiro mandato da história presidencial”.

“Embora discorde totalmente do resultado da eleição haverá uma transição pacífica a 20 de janeiro", disse Donald Trump em comunicado.

“Sempre disse que continuaríamos a nossa luta para garantir que apenas votos legais seriam contados. Embora isto represente o fim do melhor primeiro mandato na história da presidência, é apenas o princípio da nossa luta por Tornar a América Grande outra vez”, acrescenta o comunicado.

A reação de Trump foi publicada na conta do seu diretor de redes sociais, Dan Scavino, porque a sua conta no Twitter está temporariamente suspensa devido a mensagens em que o Presidente cessante justificou o assalto ao Capitólio por parte de manifestantes seus apoiantes.

Pelo menos quatro pessoas morreram durante a invasão do Capitólio, em Washington, e, segundo a polícia, foram ainda detidas 52 pessoas.

A governadora do Estado, Muriel Bowser, prolongou o estado de emergência pública na capital por mais 15 dias, até depois da tomada de posse do Presidente eleito, Joe Biden, agendada para 20 de Janeiro.

A Casa Branca anunciou que a Guarda Nacional, agentes do FBI e agentes dos serviços secretos foram ativados.

De acordo com a CNN, as autoridades também encontraram e desativaram duas bombas caseiras nas proximidades da sede dos secretariados nacionais dos partidos Democrata e Republicano.

Quatro horas após o início dos incidentes, as autoridades declararam que o edifício do Capitólio estava em segurança.

De acordo com Sociedade Histórica do Capitólio, este foi o pior ataque ao icónico edifício desde que o exército britânico o queimou, em 1814.

Biden lamenta “ataque sem precedentes" à democracia. “Compreendo a vossa dor”, diz Trump
Biden lamenta “ataque sem precedentes" à democracia. “Compreendo a vossa dor”, diz Trump
Manifestantes invadem Capitólio. “Não vamos aturar mais isto”, diz Trump
Manifestantes invadem Capitólio. “Não vamos aturar mais isto”, diz Trump
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+