Tempo
|
A+ / A-

Marcelo lamenta morte de Cutileiro. Um escultor que “nunca nos deixou indiferente”

05 jan, 2021 - 10:38 • Redação com Lusa

João Cutileiro morreu, aos 83 anos, devido a graves problemas do foro respiratório.

A+ / A-

O Presidente da República lamenta a morte do escultor João Cutileiro, aos 83 anos. Numa nota divulgada no site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa enviou as condolências à família e recordou uma época em que tive “o privilégio de com ele privar em certa época, num ambiente de amizade”.

João Cutileiro nunca foi indiferente, nem nunca nos deixou indiferente. Nascido numa família culta, com forte ligação ao Alentejo, irmão do futuro diplomata e escritor José Cutileiro, viveu em Lisboa, onde conheceu bem o meio literário e artístico. O surrealismo interessou-o, a política tentou-o, as viagens ao estrangeiro abriram-lhe horizontes”, pode ler-se na nota.

Marcelo escreve que o seu trabalho “como escultor, mas também como fotógrafo, é marcado pelas revisitações do imaginário nacional e por um franco erotismo. As figuras históricas destinadas ao espaço público, nomeadamente o ‘Dom Sebastião de Lagos’ (1973), mas também o monumento ao 25 de Abril, no alto do parque Eduardo VII, em Lisboa, assumiram uma vontade de revisitação terra-a-terra, mordaz, da História e das mitologias nacionais”.

Ferro Rodrigues considerou que João Cutileiro foi um dos nomes maiores da escultura portuguesa

"Portugal perdeu hoje uma das suas grandes referências artísticas", afirmou o presidente da Assembleia da República, numa mensagem enviada à agência Lusa.

Para Ferro Rodrigues, João Cutileiro "foi um dos nomes maiores da escultura portuguesa, sucedendo, na dimensão da sua obra, ao mestre Leopoldo de Almeida - de quem foi aluno, nos anos 50 do século passado, depois de ter colaborado com Jorge Barradas e António Duarte".

Destaca depois uma geração de artistas que, com João Cutileiro e através da escultura, "ajudou a revisitar a identidade portuguesa".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+