Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Covid-19. Sindicato defende testagem de toda a comunidade escolar na Madeira

05 jan, 2021 - 20:24 • Lusa

Governo Regional da Madeira suspendeu o ensino presencial nos concelhos do Funchal, Câmara de Lobos, Ribeira Brava e Porto Santo, até que esteja concluída a testagem de professores e do pessoal auxiliar.

A+ / A-

Veja também:


O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) apelou esta terça-feira ao Governo da Madeira para alargar a testagem à Covid-19 a toda a comunidade escolar regional, incluindo os alunos, de modo a "prevenir eficazmente" a disseminação do vírus.

"Face ao contexto em que decorrem as atividades letivas e perante o recente aumento de casos na Região Autónoma da Madeira, no rescaldo da quadra festiva, o SIPE considera que de nada serve testar apenas uma parte da comunidade educativa", refere em comunicado enviado à agência Lusa.

E reforça: "Para controlar eficazmente esta pandemia em ambiente escolar na Região Autónoma da Madeira tem de ser testada toda a comunidade, que na sua maioria é precisamente formada pelos alunos".

Devido ao aumento de casos de infeção pelo novo coronavírus, o executivo madeirense definiu no domingo uma série de medidas restritivas, suspendendo em quatro concelhos (Funchal, Câmara de Lobos, Ribeira Brava e Porto Santo) o ensino presencial, até à testagem dos respetivos professores e do pessoal auxiliar.

Hoje, o presidente do governo, Miguel Albuquerque, explicou que, numa primeira fase, serão testados cerca de sete mil professores e funcionários, e depois, eventualmente, também os alunos, vincando que os encarregados de educação não se devem preocupar, porque "o local mais seguro para estar é nas escolas".

O Sindicato Independente de Professores e Educadores defende, contudo, que a testagem deveria ser alargada a toda comunidade escolar regional, nomeadamente aos cerca de 42 mil alunos.

"O SIPE recorda que a maioria dos alunos são assintomáticos e estão em contacto próximo com os colegas, além de que muitos deles, pela sua faixa etária, não fazem uso regular de máscara", refere no comunicado.

O sindicato reconhece que a testagem ao pessoal docente e não docente dos estabelecimentos de ensino da Região Autónoma da Madeira é de "extrema importância" para reduzir o risco de contágio, mas sublinha que o processo deveria abranger todas as escolas da região e não apenas as dos quatro concelhos de maior risco.

Entretanto, esta terça-feira, foram realizados mais de mil testes rápidos à Covid-19 foram hoje realizados no concelho de Câmara de Lobos, no âmbito da testagem dos docentes e pessoal não docente das escolas dos municípios com risco de contágio elevado.

Em comunicado, a Secretaria Regional de Saúde e Proteção Civil da Madeira indica que, entre as 09h00 e as 18h30, foram realizados 1.007 testes rápidos de antigénio no concelho de Câmara de Lobos.

Os concelhos com alta transmissibilidade do novo coronavírus são o Funchal, Câmara de Lobos, Ribeira Brava e Porto Santo, segundo a Secretaria Regional de Saúde e Proteção Civil da Madeira.

Na nota é ainda referido que, para quarta-feira, estão agendados 1.500 testes rápidos de antigénio ao pessoal docente e não docente afeto às escolas do Funchal.

A logística subjacente a esta operação é da responsabilidade do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira que destacou 21 profissionais para o terreno.

Desde o início da pandemia, a Madeira já registou 2.110 casos positivos de Covid-19, dos quais 1.218 estão recuperados, e 16 óbitos.

Estão ativos 876 casos, dos quais 175 são importados e 701 de transmissão local.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.