Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: PCP contra “estado de emergência", BE quer reforço do SNS

04 jan, 2021 - 15:36 • Lusa

“Há estado de emergência a mais, mas há medidas a menos” no Serviço Nacional de Saúde, defendeu Jerónimo de Sousa, no final de uma audiência com o Presidente da República

A+ / A-

O PCP vai voltar a votar contra a renovação do estado de emergência devido à covid-19, considerando que “há estado de emergência a mais e medidas a menos” para combater a crise, disse hoje Jerónimo de Sousa.

No final de uma reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o estado de excepção, por mais oito dias, o secretário-geral comunista afirmou que o importante será “o reforço do SNS, em meios e profissionais” e o apoio e proteção social para trabalhadores e empresários que “estão com a corda no pescoço”.

“Há estado de emergência a mais, mas há medidas a menos”, no Serviço Nacional de Saúde, por exemplo, mas também para responder aos problemas nos lares de idosos.

E pediu um reforço de medidas para fazer face à situação dos lares, onde se têm relevado mais surtos e mais mortes de idosos, através de uma “maior articulação” entre os ministérios da Saúde e da Segurança Social.

As chamadas “brigadas rápidas”, afirmou, “não estão a dar resultado” quando, depois de uns dias, se vão embora e os problemas ficam nos lares.

Trabalhadores e pequenos empresários sentem necessidade de “medidas concretas” de apoio a pequenos e médios empresários, já previstos no Orçamento do Estado de 2021, que estão em “situação angustiante” ou com a “corda no pescoço”, afirmou.

Nas últimas votações na Assembleia da República, a bancada do PCP votou contra a renovação do estado de emergência.

Bloco defende reforço do SNS, com ou sem emergência

O Bloco de Esquerda (BE) voltou hoje a insistir na necessidade de reforçar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), independentemente da renovação do estado de emergência devido à pandemia da covid-19.

Sem revelar a intenção de voto, o presidente do grupo parlamentar do BE sublinhou que o expectável aumento da pressão sobre os hospitais, decorrente dos efeitos habituais da gripe e agora da pandemia, tem de ser acompanhado de medidas que assegurem a capacidade de resposta do SNS.

“Numa pressão nos hospitais que já era elevada anteriormente a este período, agora exige-se que haja uma resposta executiva que garanta quer os recursos humanos, quer os meios para uma resposta que não falhe a ninguém”, disse Pedro Filipe Soares, no final de uma audiência com o Presidente da República, em Lisboa.

Considerando necessário “cuidar do SNS para que ele cuide de nós”, o BE defendeu mais investimento e a mobilização dos serviços de saúde privados no apoio ao combate à pandemia da covid-19.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao Rodrigues
    04 jan, 2021 Almada 22:21
    Pode ser que ada familia deste comuna apanhe o COVID e depois não venha chorar fora com ele da nossa vida Politica e da AR

Destaques V+