Tempo
|
A+ / A-

BioNTech e Pfizer reforçam produção da vacina da Covid-19 mas alertam para falhas de fornecimento

01 jan, 2021 - 09:34 • Reuters

Já há falhas de fornecimento na Alemanha, que foi obrigada a fechar centros de vacinação. Há críticas a falha de celeridade dos reguladores europeus, e ao conversadorismo das encomendas feitas pela União Europeia.

A+ / A-

Veja também:


A BioNTech está a trabalhar em conjunto com a parceira Pfizer para aumentar a produção da vacina para a Covid-19, segundo os seus fundadores, que alertam que poderá haver falhas no fornecimento até que outras vacinas contra o vírus fossem lançadas.

A startup alemã de biotecnologia liderou a corrida à vacina, mas a mesma demorou a chegar à União Europeia devido à aprovação relativamente lenta do regulador de saúde europeu e ao pequeno tamanho da encomenda feita por Bruxelas.

Os atrasos causaram consternação na Alemanha, onde algumas regiões tiveram que fechar temporariamente os centros de vacinação dias após o lançamento da campanha de vacinação em 27 de dezembro.

"Neste momento não parece bem - há uma falha que se começa a notar porque há falta de outras vacinas aprovadas e temos que preencher essa lacuna com nossa própria vacina", disse o CEO da BioNTech, Ugur Sahin, ao semanário Spiegel em uma entrevista.

A vacina da Moderna deve ser aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) em 6 de janeiro.

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, pediu que a EMA também aprove rapidamente uma vacina desenvolvida pela Oxford University e AstraZeneca que a Grã-Bretanha aprovou esta semana. O calendário da UE para esta vacona permanece incerto.

Sahin disse que a vacina BioNTech / Pfizer, que usa RNA mensageiro para instruir o sistema imunológico humano a combater o coronavírus, deve ser capaz de lidar com uma variante detectada pela primeira vez na Grã-Bretanha que parece ser mais contagiosa.

"Estamos a testar se nossa vacina também pode neutralizar essa variante e em breve saberemos mais", disse o mesmo responsável.

Questionado sobre como lidar com uma forte mutação, Sahin disse que seria possível ajustar a vacina conforme necessário em seis semanas - embora esses novos tratamentos possam exigir aprovações regulatórias adicionais.

Nova linha de produção planeada

Sahin fundou a BioNTech com aesposa, Oezlem Tuereci, que é a diretora médica da empresa. Ambos culparam a decisão da UE de espalhar as encomendas na expectativa de que mais vacinas seriam aprovadas rapidamente.

Os Estados Unidos encomendaram 600 milhões de doses da vacina BioNTech / Pfizer em julho, enquanto a UE esperou até novembro para fazer um pedido com metade desse tamanho.

"De repente, ficou claro que não seria possível entregar tão rapidamente", disse Tuereci à Spiegel. "A essa altura já era tarde demais para fazer pedidos subsequentes."

A BioNTech espera lançar uma nova linha de produção em Marburg, Alemanha, em fevereiro, que pode produzir 250 milhões de doses no primeiro semestre do ano, disse Sahin.

Estão em andamento negociações com fabricantes contratados para aumentar a produção e deve haver mais dados até o final de janeiro, acrescentou.
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    01 jan, 2021 Lisboa 11:10
    Ou demitir os reguladores passo-de-caracol que demoram a autorizar as vacinas da Moderna e da Oxford, ou distribuir a patente das vacinas por Países com laboratórios e estruturas prontas para fabrica-las - vendo bem, nenhum laboratório deixou de ser generosamente apoiado com fundos públicos para a investigação, logo dizer que a patente é "deles" é um pouco abusivo - , mesmo que não seja em grandes quantidades. E o problema está, se não resolvido, pelo menos bastante atenuado.

Destaques V+