Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Espanha vai criar registo de quem não quer vacina

28 dez, 2020 - 18:24 • Lusa

Autoridades espanholas vão manter um registo de quem se recusa a ser vacinado contra a Covid-19, que será partilhado com outros países europeus, mas não divulgado publicamente.

A+ / A-

Veja também:


Espanha ultrapassou as 50 mil mortes por Covid-19, ao somar 298 óbitos desde 24 de dezembro, enquanto a incidência acumulada nos últimos 14 dias desceu para 246,9 por cada 100 mil habitantes, revelou esta segunda-feira o Ministério da Saúde.

Além da subida para 50.122 mortes desde o início da crise pandémica, o país registou também 24.462 novos casos, de acordo com os dados dos últimos dias reportados hoje pelas comunidades autónomas, tendo o país ultrapassado já os 1,8 milhões de casos de contágio.

As regiões registam 12.172 internamentos de pacientes em hospitais, mais 1.428 desde 24 de dezembro, com uma taxa de ocupação hospitalar de 10,4% em comparação com 8,08% na quinta-feira, e que no caso das Unidades de Cuidados Intensivos se situa nos 21,14% das camas ocupadas.

Também hoje, o ministro da Saúde, Salvador Illa, indicou que as autoridades espanholas vão manter um registo de pessoas que se recusam a ser vacinadas contra a Covid-19, que será partilhado com outros países europeus, mas que não será divulgado publicamente.

Em entrevista ao canal de televisão La Sexta, Illa voltou a sublinhar que a vacinação contra o novo coronavírus, que começou no domingo em Espanha como em muitos outros países da União Europeia, não seria obrigatória.

No que diz respeito às pessoas que não querem ser vacinadas, o que vai ser feito “é um registo que será partilhado com outros países europeus”, detalhou, especificando que se referia “às pessoas a quem for proposto (ser vacinado) e que, simplesmente, se recusem”.

“Este não é um documento que se vai tornar público”, afirmou, acrescentando que o arquivo será elaborado “com o maior respeito pela proteção de dados”.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.765.049 mortos resultantes de mais de 80,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    29 dez, 2020 Madeira 14:00
    Como copiamos o que fazem os espanhóis, o mesmo vai acontecer cá. Se não levar em 2021, já não quero a vacinação. A imunidade de grupo será criada, então. Obrigado e saúde

Destaques V+