Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Itália ultrapassa as 70.000 mortes antes do confinamento de Natal

23 dez, 2020 - 19:29 • Lusa

Nas últimas 24 horas morreram 553 pessoas, menos do que nos últimos dias, mas ainda assim um número muito alto.

A+ / A-

A Itália registou 553 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas, ultrapassando a fasquia das 70.000 mortes durante toda a emergência sanitária, um dia antes do confinamento nacional para travar os contágios no período de Natal.

O Ministério da Saúde italiano confirmou esta quarta-feira este número de óbitos, inferior aos 628 de terça-feira, elevando o total para 70.395 desde o início da pandemia, em meados de fevereiro.

Estes números tornam a Itália no quinto país com mais mortes provocadas pelo vírus no mundo, depois dos Estados Unidos, Brasil, Índia e México, de acordo com a Universidade norte-americana Johns Hopkins.

As infeções continuam a subir, com 14.522 no último dia, o maior aumento desde domingo, embora com mais exames realizados, mais de 175.000. No total, 1.991.278 pessoas já contraíram o vírus no país.

Ainda assim, a pressão sobre os hospitais continua a diminuir, com 24.546 pacientes hospitalizados, menos 402 do que na terça-feira, enquanto 2.624 estão internados nas Unidades de Cuidados Intensivos (menos 63).

A região mais afetada é Véneto, no norte, com 3.357 casos positivos no último dia e o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, expressou a suspeita que possa ser devido à variante detetada no Reino Unido, embora tenha apelado à cautela e à não especulação.

“A variante britânica corre muito mais rápido e isso explicaria muitas coisas, mas não quero lançar hipóteses. Em Véneto é estranho que os dados estejam a crescer, devemos compreender como e porquê”, afirmou Conte em declarações ao programa da televisão pública italiana “Porta a Porta”.

Com estes números, Itália prepara-se para o Natal mais atípico de que há memória, já que o governo impôs confinamento em todo o país durante 10 dias, entre quinta-feira, 24 de dezembro, e 06 de janeiro, nos dias festivos e vésperas.

Especificamente, nos dias 24, 25, 26, 27 e 31 de dezembro e 01, 02, 03, 05 e 06 de janeiro não é permitido sair de casa, exceto para ir trabalhar, em emergência ou necessidades de saúde e os movimentos entre regiões estão proibidos.

Nos restantes dias, as restrições serão mais flexíveis.

Por isso, nos últimos dias, os italianos começaram a regressar a casa desde as cidades onde trabalham e a ocupar as zonas comerciais para realizarem compras de última hora.

Esta quarta-feira, em Roma, as lojas tiveram longas filas de clientes à porta e alguns aproveitaram para tomar o último café ou aperitivo nos bares e cafés.

Muitas farmácias da capital colocaram à porta cabines em que se pode realizar o teste rápido ao novo coronavírus e os italianos aderiram esta quarta-feira em massa para poderem visitar os parentes mais velhos com mais tranquilidade.

O Governo, entendendo a natureza “familiar” das datas, permitiu as visitas a familiares, sempre e quando apenas se desloquem dois a dois (e acompanhados por menores de 14 anos, que não contam nesta disposição).

A esperança está colocada na vacina e já no próximo domingo vai começar a primeira vacinação em Itália, de uma enfermeira de Roma, enquanto a campanha à população começa em janeiro.

O assessor científico do ministro da Saúde e ex-presidente do Instituto Superior de Saúde, Walter Riccardi, disse esta quarta-feira que até ao final de 2021 dezenas de milhões de residentes em Itália poderão ser vacinados.

A Itália, que há poucos dias detetou o primeiro caso de um contagiado com a variante do SARS-CoV-2 detetada no Reino Unido, confirmou esta quarta-feira outro caso de uma pessoa residente em Loreto, no centro, que não teve contacto com pessoas que chegaram desse país.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.718.209 mortos resultantes de mais de 77,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+