Tempo
|
Euranet
Decidir Europa
Todas as semanas, um convidado especial fala sobre os grandes temas da Europa e do mundo no programa "Decidir Europa", com edição do jornalista José Bastos.
A+ / A-
Arquivo
Decidir Europa - Brancanes dos Reis e a ferrovia
Decidir Europa - Brancanes dos Reis e a ferrovia

Decidir Europa

Brancanes dos Reis e a ferrovia

18 dez, 2020 • José Bastos


Presidente da APAC analisa o meio de transporte com mais futuro do que passado.

Apesar de ser um meio de transporte com muita história (desde a primeira metade do século XVIII) a ferrovia terá um papel chave no futuro das sociedades modernas. Não é frase que se escreva de forma leviana; há razões a antecipar que o caminho de ferro vai recuperar a centralidade roubada por automóveis, camiões e aviões.

As vantagens económicas da ferrovia vão da longa vida útil, baixos custos de operação em passageiros e mercadorias, até ao estímulo de criação de indústria e crescimento urbanístico à sua volta, aumentando a oferta de mobilidade.

As vantagens sociais também não são negligenciáveis; menor sinistralidade, favorece a igualdade dos usuários e é um meio preferido pelo conforto, desde que a oferta seja a adequada.

A ferrovia é ainda mais amigável do meio ambiente com menores emissões de gases, promovendo o uso de energias limpas com a aposta em I&D, menor contaminação sonora e, ocupando menos espaço que as estradas, beneficia a conservação de um recurso tão importante como o solo.

O modelo de ferrovia não deverá sofrer uma alteração radical no imediato, mas vai evoluir a par da tecnologia disponível com custos de construção e de operação otimizados e com exploração eficiente ajustando-se à procura.

A indústria consciente da revolução tecnológica criou grupos multidisciplinares (construtores, fabricantes, operadores, engenharias, etc) para inventar o futuro. O melhor exemplo é o programa da UE Shift2Rail, estruturado à volta de cinco programas de inovação (IPs), cobrindo os distintos subsistemas técnicos e funcionais da ferrovia via “Conecting Europe Facility” (CEF).

O passageiro viajará de forma rápida, fiável e segura com intercâmbios contínuos e eficazes. A infraestrutura será usada de forma extensiva aproveitando toda capacidade instalada também na carga de mercadorias. Estes aspetos já se insinuam no presente e, antes de darmos conta, já estarão em serviço comercial.

António Brancanes dos Reis, presidente da APAC, a organização com mais conhecimento instalado na sociedade civil para discutir o setor, avalia se a ferrovia tem um grande futuro à sua frente, talvez ainda bem mais brilhante que o seu glorioso passado.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.