Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Dezenas de feridos em confrontos com polícia devido a restrições anti-Covid em Kiev

15 dez, 2020 - 17:50 • Lusa

Milhares de pessoas responderam ao apelo do movimento Proteja as Pequenas e Médias Empresas e reuniram-se frente ao Parlamento para protestar contra encerramento de setores económicos não essenciais entre 8 e 24 de janeiro.

A+ / A-

Veja também:


Dezenas de pessoas ficaram feridas esta terça-feira em Kiev, Ucrânia, em confrontos entre a polícia e manifestantes que protestavam contra o encerramento de setores económicos não essenciais entre 08 e 24 de janeiro para conter a Covid-19.

Milhares de pessoas responderam ao apelo do movimento Zajisti FOP (Proteja as Pequenas e Médias Empresas - PME) e reuniram-se junto à sede do Verkhovna Rada (parlamento) para protestar contra as medidas do Governo, segundo a agência de notícias Ukrinform.

Os manifestantes, que gritavam “Temos o direito de trabalhar”, marcharam então em direção à sede da presidência e, finalmente, à Praça (Maidán) da Independência, onde aconteceram os confrontos.

O tumulto começou quando os militares antidistúrbios usaram cassetetes e gás lacrimogéneo para impedir a instalação de tendas de campanha na praça, sendo que, durante a operação, pelo menos 40 polícias ficaram feridos, segundo as autoridades.

Apesar da intervenção policial, os manifestantes, entre os quais também houve vários feridos, conseguiram instalar as tendas de campanha, referiu a imprensa local.

O líder do Sindicato para a Proteção do Empreendedorismo, Serhiy Dorotych, um dos organizadores do protesto, pediu ao Presidente da Ucrânia, Vladimir Zelenski, para ordenar ao Ministério do Interior que parasse de agir contra os manifestantes.

O endurecimento das restrições sanitárias decretadas em todo o país inclui o encerramento de centros educativos e de lazer e das instalações culturais, podendo apenas manterem-se abertas as lojas de rua ou de centros comerciais que vendam bens de primeira necessidade.

Também os bares e restaurantes foram fechados, podendo apenas servir comida para levar e ao domicílio.

Em contrapartida, os transportes públicos, os hotéis, os bancos e os correios continuam a funcionar.

Salões de beleza e cabeleireiros também não serão encerrados, devendo apenas atender clientes com hora marcada.

O Governo ucraniano começou a impor restrições severas devido ao coronavírus em março passado, mas, em maio, suspendeu a maioria das medidas após detetar uma melhora na situação epidémica, que, entretanto, se agravou novamente nos últimos dois meses.

Em novembro, o país impôs finalmente quarentenas nos fins de semana, o que já tinha gerado protestos de pequenos e médios empresários.

A Ucrânia, com cerca de 42 milhões de habitantes, acumula atualmente cerca de 900.000 infetados e contabiliza quase 15.500 mortes provocados pela Covid-19.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.621.397 mortos resultantes de mais de 72,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+