Tempo
|
A+ / A-

NATO

EUA anunciam sanções à Turquia após compra de sistema russo de defesa aérea

14 dez, 2020 - 19:45 • Reuters

A Turquia já reagiu ao anúncio de sanções, criticando o "grave erro" e pedindo a Washington que reverta esta "decisão injusta".

A+ / A-

Os EUA anunciaram esta segunda-feira que vão aplicar sanções à Turquia, após Ancara ter comprado à Rússia sistemas de defesa aérea S-400, complicando ainda mais as relações já tensas entre os dois aliados da NATO.

A Turquia já reagiu ao anúncio de sanções, criticando o "grave erro" e pedindo a Washington que reverta esta "decisão injusta".

As sanções, que a Reuters noticiou em primeira mão na semana passada, têm como alvos a Presidência das Indústrias da Defesa, o diretor da organização, Ismail Demir, e outros três funcionários.

Apesar de estarem limitadas a uma só empresa, as sanções deverão pesar sobre a economia turca, adiantam analistas, numa altura em que o país está a braços com uma desaceleração económica na sequência da crise pandémica e uma inflação de dois dígitos.

Ancara defende que a aquisição dos sistemas de defesa terra-ar S-400 num negócio com a Rússia em meados de 2019 não representa qualquer ameaça para os restantes membros da NATO. Os EUA, contudo, ameaçavam há mais de um ano com sanções em resposta a esta compra, tendo inclusivamente retirado a Turquia do programa de caças F-35.

"Os EUA deixaram claro à Turquia, ao mais alto nível e em numerosas ocasiões, que a sua compra do sistema S-400 põe em risco a segurança do pessoal e da tecnologia do Exército norte-americano e acrescenta fundos substanciais ao setor de Defesa da Rússia", defende o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

Aos jornalistas, Christopher Ford, assistente do Secretário de Estado para a Segurança Internacional e a Não-Proliferação, explicou que foram esgotadas todas as vias para encontrar uma solução, após Ancara rejeitar todas as ofertas dos EUA. "Este não é um passo que tenhamos dado com leveza e certamente não com rapidez."

As sanções norte-americanas à Turquia, anunciadas quando falta pouco mais de um mês para o fim da presidência Trump, deverão pesar no arranque da administração do democrata Joe Biden e nas suas relações com Ancara, quando tomar posse a 20 de janeiro.

Pouco antes do anúncio formal das sanções, o Presidente turco, Tayyip Recep Erdogan, criticou o passo norte-americano. "Do nosso aliado da NATO, os EUA, esperamos apoio na batalha contra as organizações e forças terroristas focadas na nossa região, não sanções."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+