Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

Reestruturação da TAP. Mais de três mil milhões em cinco anos e 4.000 postos de trabalho cortados

10 dez, 2020 - 01:04 • Paula Caeiro Varela

Governo apresentou plano de reestruturação aos partidos que prevê que a companhia aérea só deixe de precisar de ajuda em 2025.

A+ / A-

São mais de três mil milhões de euros até 2025, se tudo correr como nas contas do governo, que acredita que a partir desse ano a TAP volta a ter resultados positivos. São números do plano de reestruturação da TAP apresentados esta quarta-feira aos partidos pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

Em números certos, são 2.058 milhões de euros, repartidos ao longo dos próximos quatro anos, entre injeções de dinheiros públicos e garantias de Estado.

A este valor somam-se ainda os 1.200 milhões de euros de ajudas do Estado à TAP só este ano.

Para 2021, o plano de reestruturação da companhia aérea que o Governo tem de entregar esta quinta-feira em Bruxelas, prevê um montante de 970 milhões de euros, segundo apurou a Renascença.

Um valor bastante acima do valor inscrito no Orçamento do Estado, que é de 500 milhões de euros.

O ministro das Finanças avisou na apresentação do orçamento que esse valor era provisório, sabe-se agora que é quase o dobro. Mesmo assim, a líder parlamentar socialista, Ana Catarina Mendes, não hesitou esta quarta-feira em dizer que não se coloca “neste momento a hipótese de um orçamento retificativo”.

O plano do governo prevê que, em 2022, o valor das ajudas à TAP seja de 442 milhões de euros, somando mais 319 milhões em 2023 e ainda 327 milhões de euros em 2024.

Se tudo correr bem, a TAP deixará de precisar de ajuda em 2025, Nos documentos que devem ser entregues esta quinta-feira em Bruxelas, está previsto um resultado positivo de 30 milhões de euros em 2025.

Para além da venda de aeronaves, as ajudas do Estado não chegam para travar milhares de despedimentos: o governo admite que podem ser 4 mil os postos de trabalho cortados no curto prazo.

Entre rescisões, não renovação de contratos e outras formas de terminar vínculos laborais, só até ao fim deste ano devem sair 1.600 trabalhadores.

E outros 1.000 até março.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    10 dez, 2020 Funchal 11:20
    Sou do tempo que trabalhar na TAP, não era para todos. Familias trabalhavam todos lá, arrogância, vaidade e previlégios. O Estado sempre injetou milhões na TAP, logo, sinal de grandes salários.
  • Bruno
    10 dez, 2020 aqui 08:49
    Devia-se era deixar falir e pronto. A empresa não é viável e seria menos um buraco sem fim nas contas do Estado.
  • Petervlg
    10 dez, 2020 Trofa 08:22
    é para isto que reverteram a privatização da TAP? queriam uma companhia de bandeira? o PS o PCP e o BE que metam lá o dinheiro deles e não o dos contribuintes, isto chama-se roubar o povo os partidos da esquerda que querem que o povo Português esteja melhor, só se for para encher os bolsos destes políticos e destas empresas com gestores políticos, que nada entendem de gestão. Quem vendeu a participação da TAP é que está bem! Vamos ter mais um Novo Banco, estes políticos de esquerda, não tem escrúpulos nenhuns a reduzir o povo a m...
  • Americo
    10 dez, 2020 Leiria 07:55
    Para quê? Temos capacidade financeira para "esbanjar" assim tanto dinheiro ? É TAP, é Bancos e nós cada vez mais na cauda da Europa.

Destaques V+