Tempo
|
A+ / A-

Conferência Episcopal

Igrejas "bem preparadas" para receber fiéis na Missa do Galo

05 dez, 2020 - 21:05 • André Rodrigues , com redação

Abrandamento das restrições vai permitir a Missa do Galo. D. José Ornelas congratula-se com a decisão do Governo e garante que as igrejas vão tomar todas as normas de segurança sanitárias, "que têm dado resultado".

A+ / A-

Veja também:


O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. José Ornelas, congratula-se com a decisão do Governo que vai permitir aos portugueses celebrar o Natal em família e participar na tradicional Missa do Galo.

“O anúncio do senhor primeiro-ministro vem na sequência de outras previsões já antes anunciadas e que vão ao encontro daquilo que todos queremos: celebrar o Natal o melhor possível, permitindo uma reunião em família e aquilo que está na origem do Natal, que é a celebração do nascimento de Jesus”, afirma o também bispo de Setúbal, em declarações à Renascença.

D. José Ornelas não tem "dúvida nenhuma" de que as igrejas vão estar "bem preparadas" para receber os fiéis no Natal, "para que se celebre com alegria, mas, ao mesmo tempo, com as normas e as proteções a que estamos habituados e que têm dado resultado”.

Nestas declarações à Renascença, o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa apela aos portugueses que vivam a quadra do Natal com precaução e “não convidem a Covid-19” para a festa, para poderem celebrar nos próximos anos.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou este sábado o abrandamento das restrições durante o período do Natal e Ano Novo.

No âmbito da exceções ao estado de emergência, os portugueses poderão circular entre concelhos, entre os dias 23 e 26 de dezembro, para celebrar o Natal em família.

Na noites de 24 e 25 circulação será possível circular na via pública, até às 2h00 da manhã.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.